Jorge Adorno/Reuters
Jorge Adorno/Reuters

Adebayor encerra passagem pelo Olimpia com quatro jogos disputados e sem gols

Togolês se despede do futebol paraguaio com rescisão amigável e uma expulsão no currículo

Redação, Estadão Conteúdo

01 de julho de 2020 | 12h47

A passagem de Emmanuel Adebayor pelo futebol do Paraguai chegou ao fim em meio à crise sanitária pela pandemia do coronavírus. O atacante togolês rescindiu o seu contrato com o Olimpia, menos de cinco meses após uma chegada com festa e sob grande expectativa.

O Olímpia comunicou que chegou a um acordo amigável para rescindir o contrato do ex-jogador de Arsenal, Manchester City, Tottenham e Real Madrid. O atacante de 36 anos permaneceu no seu país durante a maior parte da pandemia.

"A situação da pandemia põe o jogador em risco sanitário em seu retorno ao país, com múltiplas escalas e medidas de quarentena, além do alto custo logístico e a situação econômica que o país está atravessando", justificou o Olimpia em um comunicado.

O atacante havia chegado ao Olimpia para ajudá-lo na briga para ganhar pela quinta vez consecutiva o título paraguaio. E o clube aproveitou que ele estava sem time após deixar o Kayserispor, da Turquía, em dezembro, para contratá-lo.

Como ocorreu em quase todo o esporte mundial, o futebol paraguaio foi paralisado durante a pandemia. A temporada deve ser retomada ainda em julho, porém, sem público.

Na sua breve passagem pelo Olimpia, Adebayor não marcou gols em quatro partidas, sendo apenas duas como titular. Recebeu um cartão vermelho na sua estreia na Copa Libertadores, em duelo contra o Defensa y Justicia, da Argentina. Adebayor foi eleito o melhor jogador do futebol africano em 2008 e soma 97 gols marcados no Campeonato Inglês. Ele também é o maior artilheiro da história da seleção de Togo, com 32 gols marcados, tendo participado da Copa do Mundo de 2006.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolOlimpia Clube de Futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.