Ademir da Guia culpa os jogadores

Não deve ter sido fácil para o maior ídolo da história do Palmeiras ter de acordar cedo para ir ao dentista nesta quinta-feira. Cabisbaixo pela humilhante derrota da véspera, 7 a 2 para o Vitória, Ademir da Guia foi obrigado a ouvir gozações, brincadeiras, de conhecidos e desconhecidos, e ainda teve de encontrar, a pedido da imprensa, explicações para o fiasco. ?O plantel é fraco. A culpa não é do técnico, é do elenco. Tem de haver mudança radical no clube?, disse, indignado. ?Sou torcedor que sente uma derrota e que sofre junto com o time. Hoje estou muito triste?, desabafou. ?O Palmeiras não pode ficar esperando muito tempo. Ele tem de ganhar logo, amanhã e não um dia qualquer.? Responsáveis? Ademir evitou dizer se engrossa ou não o coro pela saída do presidente Mustafá Contursi, mas, praticamente, afirmou isso nas entrelinhas. ?Desde o ano passado o time vem mal, está na hora de mudar tudo.? O ex-volante Elzo, titular da seleção brasileira em 1986, é ainda mais contundente. ?Ele (Mustafá) está há tempo no cargo, já ganhou muito e também sofreu desgastes. Agora ficou improdutivo. O bom senso pede mudança na direção e depois nos outros departamentos se for necessário.? O ex-atacante César Maluco ? apelido que ganhou pela forma intempestiva com que defendia o time entre 1965 e 1974 ?, nesta quinta-feira estava maluco de raiva da atual direção. ?Todo o planejamento foi errado.? Para ele, ter ficado um mês apenas fazendo jogos-treino com times de qualidade duvidosa foi uma falha imperdoável. ?Aí você pega o Vitória, que vem embalado na disputa da Série A e acontece o quê? Leva uma lavada mesmo, lógico.? César estava transtornado com a atuação do time. ?Mesmo com jogadores ruins, a camisa tinha de pesar. O Palmeiras é tradicional, não pode ser humilhado desse jeito?, disse. César acha que o time precisa de pelo menos mais seis contratações para ter chance na Série B. E parece que César não é o único a pensar assim. ?Esta molecada que está aí é muito fraca, não tem garra e não vibra com o time?, disse o ex-lateral Rosemiro, que sente saudade do tempo que defendeu o Palmeiras, de 1975 a 1979. Na época, veio do Remo e encontrou um time em crise, mas sagrou-se campeão paulista em 1976. Seu ex-companheiro da campanha vitoriosa, o ex-meia Jorge Mendonça acha que ?jamais o Palmeiras poderia estar nesta situação. Só pela tradição, o time não merecia estar na Segunda Divisão.? Aos 37 anos e ainda sonhando em ser útil a algum time, o meia Mazinho, tetracampeão mundial pelo Brasil em 1994, vê com nitidez os problemas que atormentam os jogadores. ?Essa história de Segunda Divisão pesa muito para um clube forte como o Palmeiras, a cabeça dos atletas de nome ficam a mil.? O maior goleiro da história palmeirense, Oberdan Catani (décadas 40 e 50), foi ao Palestra Itália e, desconsolado, deixou o estádio no intervalo, quando já estava 4 a 1 para o Vitória. ?Tudo deu errado. Foi vergonhoso?, comentou. E Mustafá, tem culpa? ?Não há um só culpado, mas sim todo o grupo.? Um que não está nada otimista é o ex-volante Dudu. ?Hoje, qualquer equipe que joga um feijão-com-arroz bate na gente?, esbraveja. ?Tem de mudar tudo, começar de novo, porque o que o Picerni fez até agora, com essa derrota, voltou à estaca zero.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.