Adiado julgamento de Luís Fabiano

A Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) ainda analisa o recurso e as razões apresentadas pelo São Paulo, que tenta reduzir a pena do atacante Luís Fabiano, suspenso por quatro partidas ao ser expulso no jogo com o Corinthians, em 12 de outubro, pelo Campeonato Brasileiro. Portanto, o julgamento será realizado somente na quinta-feira, 4 de dezembro. A princípio, o tribunal levaria o caso nesta quinta-feira ao plenário. Mas a alegação do STJD para a extensão do prazo foi a demora do São Paulo em apresentar a defesa. Dessa forma, Luís Fabiano continuará fora do time no fim de semana, contra a Ponte Preta. Se a punição for mantida, ele também não poderá atuar no jogo com o Internacional, dia 7. Estaria liberado apenas para enfrentar o Flamengo, na última rodada do Brasileiro. Luís Fabiano luta pela artilharia do Brasileiro com Dimba, do Goiás - ambos marcaram 29 gols na competição. Ele foi expulso, ao agredir com uma cabeçada o zagueiro Marquinhos, do Corinthians. Depois, ofendeu a árbitra Silvia Regina. Foi, portanto, denunciado em dois artigos do Código Brasileiro Disciplinar de Futebol (CBDF). Em primeira instância, a 2ª Comissão Disciplinar do STJD puniu o atacante do São Paulo com pena máxima porque ele era reincidente. Apesar do recurso, Luís Fabiano dificilmente conseguirá ter sucesso no novo julgamento. Desde o início do Campeonato Brasileiro, o STJD só alterou raríssimas vezes a pena aplicada por comissão disciplinar: a mais notória ocorreu no meio do ano, quando o zagueiro Fábio Luciano, do Corinthians, foi suspenso por 60 dias, após agredir o atacante Fabiano, do Santos, em clássico disputado em 9 de julho. Dias depois, o STJD converteu a suspensão em distribuição de mil cestas básicas no valor de R$ 50,00 a unidade. Somente assim, o zagueiro pôde se transferir para o Fenerbahce, da Turquia. Este ano, o STJD não reduziu nenhuma pena de suspensão, por número de partidas, de atleta condenado por comissão disciplinar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.