Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Adilson Batista assume o comando do São Paulo e se diz mais maduro

Técnico assume o lugar deixado por Paulo César Carpegiani, há quase 10 dias

AE, Agência Estado

18 de julho de 2011 | 17h46

SÃO PAULO - O São Paulo apresentou nesta segunda-feira o técnico Adilson Batista, que assume o lugar deixado por Paulo César Carpegiani. Vindo de três trabalhos ruins, em Corinthians, Santos e Atlético-PR, o treinador chega sob desconfiança da torcida e teve que se defender das críticas já em sua primeira entrevista coletiva no CT da Barra Funda.

Ponderou que a análise é de um período curto, de oito ou nove meses, que não apagam o que ele fez no Cruzeiro, há um ou dois anos. "Isso (desempenho pelo time mineiro) contribuiu para que o São Paulo me trouxesse", disse o treinador, que entende que passou por um período de "turbulências". "Estou mais maduro, consciente e tranquilo."

Agora no São Paulo, ele quer dar a volta por cima. "É uma oportunidade única, um desafio importante na minha carreira. Venho preparado e confiante. É uma oportunidade de alavancar minha carreira em um clube que sempre desejei trabalhar", avaliou Adilson, que se considera jovem e com boa perspectiva de carreira. "Ainda tenho uns 17, 20 anos no futebol."

A diretoria, porém, não parece ter a mesma confiança. Tanto que ofereceu ao treinador um contrato de apenas seis meses, com possibilidade de extensão até 2012. A ideia é classificar o time para a Libertadores e, com isso, manter Adilson, que já levou o Cruzeiro até a final do torneio, em 2009.

"Sei da importância que será comandar o São Paulo. O que o clube pensa é o que pretendo na minha carreira. Fiz boas campanhas no Brasileiro e Libertadores. Bateu na trave, mas uma hora entra", afirmou o treinador.

Adilson chegou ao São Paulo elogiando o elenco e exaltando a vice-liderança do Brasileirão. "É um bom elenco, de excelentes jogadores. Estão chegando jogadores, além de alguns que estão voltando. É um time jovem e leve. As duas vitórias impulsionam e dão tranquilidade ao grupo, a ambição aumenta, e isso é muito importante."

Reserva enquanto Carpegiani estava no clube e destaque do São Paulo nos dois jogos em que Milton Cruz foi o treinador interino, Rivaldo também foi elogiado pelo novo técnico tricolor. "É um jogador dispensa comentários, pela carreira em si e também pelo profissionalismo. O São Paulo é mestre em trazer jogadores experientes que contribuem muito com o time."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.