Nathalia Garcia/estadão.com.br
Nathalia Garcia/estadão.com.br

Adilson Batista diz que dará sequência ao trabalho no Corinthians

Novo técnico mais observa do que fala no primeiro dia de trabalho no Parque São Jorge

NATHALIA GARCIA, estadão.com.br

27 de julho de 2010 | 12h15

SÃO PAULO - Adilson Batista começou nesta terça-feira a trabalhar no Corinthians e procurou reforçar, na entrevista coletiva em sua apresentação oficial, que tem um estilo diferente do técnico anterior, Mano Menezes (que foi para a seleção brasileira), mas que isso não significa que fará mudanças expressivas no atual time líder do Campeonato Brasileiro.

Veja também:

video TV Estadão - Adilson Batista: 'Vou ajudar o Ronaldo'

linkCorinthians anuncia cancelamento do acerto com Gilmar

linkJucilei não esconde surpresa e comemora convocação

"Vamos dar sequência ao trabalho. A gente sabe da qualidade dos atletas, devemos fazer poucas mudanças, pensamos em alternativas, mas há um padrão e faremos de tudo para o Corinthians ser campeão. Objetivo é no final estar entre os times que vão para a Libertadores", explica, reforçando o ponto esperado pelos torcedores. Outro ponto, aliás, lembrado por ele que os envolve: espera conservar o apoio das arquibancadas nos jogos.

Fazer um caminho incomum no futebol, assumir o comando de um time na primeira posição, ao invés do comum ameaçado de rebaixamento, lhe dá mais responsabilidade, que ele garante não incomodar. "É melhor do que trabalhar embaixo [na tabela de classificação], é oportunidade que poucos tiveram".

ACERTO. A ida para o Corinthians foi definida apenas na noite de sábado. Antes de fechar, o novo técnico conta que pediu conselhos a Muricy Ramalho, Carlos Alberto Silva e Paulo César Carpegiani - mas seu ídolo era Ênio Andrade. E que agora resolverá o problema jurídico que tem com o clube - uma dívida trabalhista dos tempos de jogador, não paga até hoje. "E quem resolve é o departamento jurídico", diz, curto e direto, o vice de Futebol Mário Gobbi.

 QUEM É ELE
ADILSON BATISTA

Técnico

Nascimento

- 16 de março de 1968, em Adrianópolis (PR)

Times - Mogi Mirim (2001), América-RN (2002), Avaí (2002), Paraná (2003), Grêmio (2003-04), Paysandu (2004), Figueirense (2005-06), Sport Recife (2005), Jubilo Iwata-JAP (2006-07) e Cruzeiro (2008-10)

Títulos - Campeão potiguar (2002), catarinense (2005), mineiro (2008 e 09)

TIME. Como não pretende fazer muitas mudanças, Adilson espera ter Ronaldo de volta rapidamente - com quem chegou a jogar nos tempos de Cruzeiro. O atacante se recupera de contusão. "Ele tem conhecimento [de jogo] e o grupo tem de ajudar o Ronaldo a retomar as condições. Temos de tratar ele com respeito, ele tem de se condicionar, para usarmos mais para frente", afirma.

O esquema de jogo deve ser mantido, sem grandes variações. "Até porque sempre tem suspensão, lesão, e depende do adversário", explica.

Um ponto positivo é que o atual capitão ele conhece bem: o zagueiro Chicão começou com ele no Mogi Mirim. Sobre os problemas a resolver, envolvendo os goleiros, o técnico foi direto: "Sobre Felipe [que está treinando separado] não comento, Bobadilla precisa regularizar a documentação e Júlio César vem jogando bem. Vou conversar com os preparadores".

ESTREIA. Por começar justamente num clássico, contra o arquirrival Palmeiras no domingo, e o campeão mundial de 2002, Luiz Felipe Scolari, Adilson Batista minimiza a pressão que já possa receber. "Tenho carinho e respeito pelo Felipão, vejo com naturalidade o confronto, pois não tem como escolher adversário".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.