Adilson promete reação do Cruzeiro e critica juiz

O técnico Adilson Batista preferiu manter o otimismo depois de ver o Cruzeiro cair por 2 a 0 diante do Vélez Sarsfield, em Buenos Aires, na última quarta-feira, na estreia do time na fase de grupos da Copa Libertadores. O treinador promete que o time reagirá a tempo de assegurar uma vaga na próxima fase da competição.

AE, Agencia Estado

11 de fevereiro de 2010 | 14h17

"Nós temos mais cinco jogos (na primeira fase) e vamos reverter com a ajuda do nosso torcedor, com o bom ambiente que nós temos. Vamos ter um pouco de clama. Hoje (quarta-feira) foi uma infelicidade, mas vamos reverter", garantiu o comandante, que elogiou a garra da equipe, que chegou a atuar com dois jogadores a menos por causa das expulsões do meia Gilberto e do zagueiro Gil.

"Temos que enaltecer o espírito guerreiro. Vamos tentar contra o Colo-Colo (no próximo dia 24), com 64 mil pessoas lá (no Mineirão) nos ajudando, empurrando. Vamos reverter e tentar encostar no Vélez", disse.

Apesar do otimismo, Adilson reclamou de forma dura a arbitragem do uruguaio Martín Vázquez. Para o treinador, os jogadores do Vélez não foram punidos como deveriam no confronto da última quarta-feira.

"Há muito tempo que estou no futebol e nunca vi uma arbitragem tão tendenciosa, errando muito, principalmente contra o Cruzeiro. Não sei se o Cruzeiro começou a incomodar muita gente, porque chega, tem um histórico excelente na Libertadores. Infelizmente (o árbitro) acabou irritando muita gente, os jogadores, invertendo faltas. Fomos prejudicados e o Vélez tirou proveito, controlou bem o jogo. A gente suportou até determinado momento. Infelizmente não conseguimos finalizar. Acho que a arbitragem foi decisiva", reclamou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.