Suposto admirador de líderes nazistas, atacante ucraniano gera polêmica na Espanha

Torcedores rejeitam a chegada de Roman Zozulya

O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2017 | 12h44

Em seu site oficial, o Rayo Vallecano, clube da Espanha, anunciou a contratação do atacante ucraniano Roman Zozulya. O jogador chega por empréstimo do Real Betis até o fim da temporada.  Mas, a novidade não agradou aos torcedores do clube espanhol. Conhecidos pela ideologia anti-fascista, os fãs rejeitam a chegada de um suposto admirador de líderes nazistas.

A polêmica teve início com o compartilhamento de publicações antigas do atacante nas redes sociais. Em uma postagem de dezembro de 2015, em seu conta oficial do Twitter, Zozulya aparece em foto ao lado de um lenço que leva a imagem de Stepan Bandera, líder histórico que chefiava a Organização dos Nacionalistas Ucranianos, de ultra-direira.

Um grupo da torcida Bukaneros afirma que o atleta não pode vestir a camisa do Vallecano. "Não é uma questão de ideologia ou pensamento, ele vai mais longe: o jogador ucraniano brandia armas, doou dinheiro para batalhões fascistas, ele parece com símbolos e tem repetidamente manifestado o seu apoio à extrema direita do seu país," disseram ao  ADRV Platform.

Roman Zozulya se defendeu por meio de um comunicado divulgado pelo próprio Rayo Vallecano, negando sua filiação de direita. "Eu não estou vinculado nem apoio qualquer grupo paramilitar neo-nazista", e explica, "realizei uma tarefa importante na Ucrânia, trabalhando com o Exército para proteger meu país".

O atacante é um defensor da ação do Exército ucraniano na chamada operação anti-terrorista e tem realizado diversas campanhas para arrecadar dinheiro. Passando por Donbas, extremo leste da Ucrânia, ele ainda foi fotografado com metralhadoras e roupas paramilitares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.