Adriano admite voltar a jogar por clube da Segundona italiana

Atacante, que está há quatro meses sem jogar, já passou por times como Inter de Milão, Fiorentina, Roma e Parma no país europeu

O Estado de S. Paulo

15 de agosto de 2014 | 13h29

Quatro meses parado após ter seu contrato rescindido com o Atlético-PR, Adriano pode voltar à Itália pela terceira vez em sua carreira. Em entrevista divulgada nesta sexta-feira pela revista Calcio 2000, o brasileiro disse que teve conversas com a diretoria do Catania, e que não teria problemas em retornar ao futebol jogando por uma equipe da Segunda Divisão.

A conversa com o diretor do Catania, Pablo Cosentino, aconteceu no fim de maio, antes da Copa do Mundo. Apesar disso, Adriano ainda não descartou a possibilidade de jogar na equipe da Sicília. "Ele me perguntou sobre como eu estava e outras coisas desse tipo. É uma boa equipe e a mim só interessa voltar a jogar. E realmente gostaria de voltar à Itália", disse o atacante, que não se importa com o fato de o time ter sido rebaixada na última temporada.

Mesmo com a possibilidade em aberto, o jogador de 32 anos admitiu que o seu sonho mesmo é voltar para a equipe onde é ídolo e ganhou o apelido de Imperador. "Se a Inter de Milão me chamasse, eu iria correndo, mas sei que é difícil. Eu quero jogar", afirmou Adriano, que atuou na equipe entre 2004 a 2009, além de outros times na Itália como Fiorentina, Parma e Roma.

Os últimos anos do jogador, que mais ficou parado do que atuando, foram marcados por confusões extra-campo e faltas em treinamentos por causa de noitadas. Sobre isso, que foi fator essencial na opção do Atlético-PR por não renovar o contrato do centroavante, Adriano justificou o comportamento, mas disse ter mudado. "Quando jovem, eu não tinha nada, então comecei a ter tudo e fiquei perdido. Mas hoje estou mais maduro e aprendi muito com os erros".

Tudo o que sabemos sobre:
futinterfuteboladrianocatania

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.