Adriano diz que não vê a hora de voltar a jogar pela Inter

Jogador afirma que está feliz no São Paulo, mas foca no retorno à equipe italiana após recuperação

EFE

24 de abril de 2008 | 13h21

O atacante brasileiro Adriano, emprestado pela Inter de Milão ao São Paulo, disse que "não vê a hora" de voltar a vestir a camisa do clube italiano. Em entrevista publicada nesta quinta-feira pelo jornal esportivo La Gazzetta dello sport, o atacante disse que encontrou "o caminho certo" para sua vida pessoal e esportiva, e acrescentou que está feliz por jogar.O brasileiro ressaltou que agora está mais tranqüilo, que "consegue se concentrar como deve e que isto o ajuda a oferecer mais", por isso espera poder permanecer na Inter até 2010, quando termina seu contrato.Adriano afirmaria que, para ele, voltar à equipe de cabeça erguida significaria que fez seu trabalho como atualmente. Na última temporada o atacante passou por sua pior fase, por ter estado mais no banco do que em campo.Na época, o jogador aparecia mais na imprensa por causa de suas festas noturnas do que por suas atuações em campo, uma situação que aborreceu tanto o técnico do time, Roberto Mancini, quanto o presidente e acionista majoritário do clube, Massimo Moratti.O brasileiro comentou que, ao chegar ao São Paulo, temia não conseguir sair da crise em que havia mergulhado, mas comentou que está feliz com a chegada de seu filho, que já não precisa de acompanhamento psicológico.Adriano ressaltou que não tem nada contra Mancini e esclareceu que apenas tinha esperado um pouco mais de ajuda de sua parte. Sobre seu compatriota Ronaldo, do Milan, Adriano afirma ter certeza de que voltará a jogar, talvez no Flamengo. Quanto a Ronaldinho Gaúcho, disse não saber o futuro do ex-companheiro de seleção.Por outro lado, Adriano afirmou que nunca deixou de pensar em voltar a jogar pelo Brasil e que "está pronto", mas ressaltou que quem deve decidir isso é o técnico Dunga.

Tudo o que sabemos sobre:
AdrianoSão Paulo FCInter de Milão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.