Adriano espera uma batalha na decisão

Adriano concedia entrevistas nos subterrâneos do Waldstadion de Frankfurt, nesta terça-feira, quando estourou uma áspera discussão entre um repórter argentino e outro brasileiro. Quase saíram no tapa. "Chiii, a guerra já começou. Imagina no jogo", disse Adriano, sem disfarçar o sorriso. O tanque do Brasil espera uma batalha e não uma guerra contra a Argentina, na final da Copa das Confederações. E avisa que está pronto para dar mais um título à seleção cinco estrelas. "Decisão é com ele", alerta Carlos Alberto Parreira. "Não acredito em jogo violento. Eles jogam forte, na bola, marcam muito. O Brasil tem de se preocupar em jogar futebol. É o que eu vou fazer. Espero repetir a mesma atuação que tive contra a Alemanha. Quero dar mais um título ao Brasil." O último que ajudou a conquistar foi em cima da Argentina na final da Copa América de 2004, no Peru. Marcou o gol no finalzinho que levou a decisão aos pênaltis. Depois daquele jogo, ganhou respeito dos argentinos. Nesta terça, eles voltaram a elogiar o "tanque". "Fico feliz com os elogios deles. É mais um motivo para mostrar um bom futebol", disse Adriano, também muito festejado pelo técnico Carlos Alberto Parreira. O treinador, aliás, antecipou a convocação do atacante para a Copa do Mundo de 2006. "É um prazer falar deste jogador. Há três anos apostei nele quando ninguém falava no seu nome. É jogador de decisão. Vai ser valiosíssimo na Copa do Mundo. Quanto mais pressão, mais ele aparece.Foi assim na Copa das Confederações. Tem sido assim no seu clube e na Seleção Brasileira." Parreira espera muito de Adriano nesta quarta em Frankfurt. É a sua principal aposta para o Brasil encostar a Argentina na parede. O atacante também não disfarça seu apetite. "A Seleção Brasileira tem de se impor como fez no segundo tempo daquele jogo que perdemos em Buenos Aires. Eu vou para cima." Adriano marcou três gols na Copa das Confederações e gostaria de sair da Alemanha artilheiro do torneio. Figueroa, da Argentina, e Aloisi, da Austrália, têm quatro cada um. O duelo do tanque brasileiro é com o veloz e contundente argentino. "Ser o artilheiro é importante, só que conquistar o título é ainda mais importante. A Seleção Brasileira está bem preparada. Temos de ir para cima deles. É o que vamos fazer", avisa o ?tanque?, refeito do pisão que levou no treino de segunda-feira. "Fiquei assustado quando saí do treino. Na minha cabeça passou o filme de que eu não jogaria a final. Ainda bem que foi só um susto." Não foi uma boa notícia para a Argentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.