Adryan é liberado pelo Flamengo e se transfere para time da Suíça

Meiocampista disputou apenas quatro partidas pelo clube em 2017

Estadão Conteúdo

03 de julho de 2017 | 13h30

Pouco aproveitado pelo técnico Zé Ricardo nesta temporada, Adryan está oficialmente fora do Flamengo. Nesta segunda-feira, o clube carioca anunciou que acertou a rescisão do contrato do jovem meia, de 22 anos, que, assim, ficou livre para fechar a sua transferência ao Sion, da Suíça. Ainda assim, o time permanecerá com uma participação nos direitos econômicos do jogador.

"A pedido do Adryan, o clube antecipou a rescisão do contrato dele, que se encerraria no fim deste ano e, portanto, ele pode assinar um pré-contrato desde já. O atleta irá para o Sion, da Suíça. Em comum acordo entre os clubes, o Flamengo preservou parte dos direitos econômicos do atleta", anunciou o Flamengo através de um comunicado divulgado no seu site oficial.

Formado nas divisões de base do time carioca, Adryan era apontado como grande promessa, com tendo várias passagens pelas categorias inferiores da seleção brasileira. O jogador, porém, vinha tendo dificuldades para conquistar seu espaço na equipe principal do Flamengo desde a sua profissionalização.

Em 2017, Adryan só entrou em campo em quatro partidas por competições oficiais pelo clube, sendo que em nenhuma delas atuou por 90 minutos. Assim, os próprios empresários do jogador haviam declarado publicamente o desejo de que o meia mudasse de clube, o que agora se tornou oficial. E em tom de despedida, o jogador divulgou um texto no seu perfil oficial no Instagram em que agradece o apoio da torcida e do próprio Flamengo.

"Bom dia, Nação. Hoje é um dia especial para ambos os lados da moeda para mim. Se encerra um ciclo e um novo se inicia. O que eu tenho a dizer a vocês é que passamos momentos excelentes, de títulos, expectativas, sonhos, da mesma forma que choramos juntos, brigamos juntos, nossa relação foi uma relação muito conturbada. Mas precisei escutar muitas coisas de vocês pra virar o profissional e homem que hoje sou. Cheguei aqui em 2006 cheio de sonhos, e posso garantir que realizei o de vestir essa camisa no profissional, fazer gol e vibrar com vocês, que foi o que eu sempre fiz quando estava do lado de vocês na torcida. Obrigado por tudo, vocês são os maiores do mundo", escreveu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.