Advogado de Careca fala em processo

O advogado Roberto Persinotti Jr. , dos ex-atacantes da seleção brasileira, Antônio Oliveira Filho, o Careca e Edmar Fernandes dos Santos, disse que foi pego de surpresa com a informação que o pré-relatório da CPI/CBF-Nike, estaria sugerindo o indiciamento dos dois ex-jogadores. "O que eu sabia, extra-oficialmente, era que ambos, por falta de provas, seriam inocentados no relatório final", disse Persinotti Jr. nesta quarta-feira em Campinas. O advogado até ameaçou processar por danos morais o empresário Jimmy Martins, que teria envolvido os nomes dos ex-jogadores no esquema fraudulento, ilegal e criminoso de transferência de atletas para o exterior. "Estamos reunindo as provas finais e ainda nesta semana devemos entrar com processo pedindo indenização, que deverá ser arbitrada pela Justiça, já que nada ficou provado contra os dois", acrescentou o advogado. Os dois ex-jogadores precisaram mudar a rotina, pois tiveram suas imagens arranhadas, com as denúncias. Careca é um dos maiores ídolos da torcida do Guarani e do São Paulo, além do Napoli, onde fez dupla inesquecível com o argentino Diego Maradona. "Há mais de 20 anos somos respeitados, e, em menos de 15 dias, tudo desmoronou, ao ligarem os nossos nomes com coisas ilícitas", disse Edmar. O ex-jogador, que acredita que não será indiciado, fez critica também à imprensa, que teria dado muito destaque para o caso. "Abriram manchetes e mais manchetes sobre o assunto e falaram muitas inverdades de nós, inclusive os deputados sem nenhuma prova", prosseguiu Edmar. O ex-atacante disse que eles mereciam mais respeito, pois atenderam todas as convocações dos deputados e se colocaram à disposição para esclarecer a utilização de passaportes falsos na venda de jogadores. "Estávamos falando a verdade, nos nossos depoimentos em Brasília, quando afirmamos que não sabíamos do esquema" completou Edmar, que é sócio de Careca no Campinas F.C., time da 5ª divisão, que pediu licença este ano da competição junto à Federação Paulista de Futebol (FPF). Os nomes dos dois, segundo o advogado, devem constar no relatório final, mas ele também acredita que não será pedido o indiciamento dos dois. "Não há provas contra eles", acrescentou. O próprio presidente da CPI/CBF-Nike, deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP) teria reconhecido que não há provas para incriminá-los. Os dois ex-jogadores começaram a ser investigados pelos deputados no final de novembro do ano passado, quando Careca teve que dar explicações à justiça de Vicenza, na Itália, sobre os passaportes falsos dos jogadores Dedé e Jeda. Os dois jogadores, que atuavam no Campinas F.C. foram negociados com o Vicenza. Careca convenceu a justiça italiana, em depoimento que durou cerca de seis horas que não sabia da fraude. Aqui para os deputados, também negou o seu envolvimento. O ex-jogador Edmar disse que as investigações dos deputados não influenciou no pedido de licença do Campinas F.C. "Uma coisa não teve nada a ver com a outra", comentou. "Pedimos afastamento da competição porque não tínhamos campo para treinar e nem estádio para jogar", disse. O ex-atacante afirmou que o clube está sendo reestruturado e que voltará a ativa no próximo ano. "Vamos inaugurar agora, em junho, três campos para treinamento e um alojamento para os jogadores, no próprio complexo esportivo mantido pelo Careca", acrescentou. Edmar disse ainda que espera resolver o problema do estádio até o final do ano. "A nossa intenção é a de fazer um convênio com o governo de São Paulo para aproveitar o estádio da Mogiana, que fica no centro de Campinas, um lugar muito agradável e de fácil acesso".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.