Advogado do Corinthians prepara defesa

A defesa do Corinthians já sabe como agir para tentar evitar que o atacante Carlitos Tevez seja condenado a um ano de suspensão por causa da expulsão pela agressão verbal ao árbitro Anselmo da Costa (SP), na derrota de sábado para o São Caetano, por 2 a 0, pela 18.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O advogado João Zanforlim alegará ?erro de denúncia? se a procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) citar o atleta no art. 188 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que prevê uma pena entre 30 a 180 dias, passível de duplicação, caso a ofensa tenha sido feita também por algum meio de comunicação."Isso é um absurdo! Não tem cabimento uma hipótese dessas", disse Zanforlim, que até aceita uma punição tendo por base o art. 252 do CBJD, o qual estabelece pena de suspensão de duas a seis partidas para o infrator. Na súmula, o árbitro relatou que o atacante corintiano proferiu as seguintes palavras: "p... que lo pariu" e "concha tu madre".De acordo com o advogado do Corinthians, o atacante da seleção argentina só poderia ser julgado por ofensas morais ao árbitro com base no art. 188 ou no 187 (pena entre 30 e 180 dias) caso a partida já estivesse encerrada, como ocorreu no caso do lateral-direito do São Paulo, Cicinho.Cicinho será julgado nesta terça-feira, porque o árbitro Lourival Dias Lima Filho (BA) relatou na súmula que ao término da partida entre São Paulo e Juventude o atleta o chamou de "filho da p...". O advogado corintiano reiterou que um dos princípios do Direito ressalta que "se existe um artigo específico para um julgamento, este deve ser seguido."Ele se referiu ao capítulo IV do título IX do CBJD, redigido para punir atletas que cometem infrações contra a moral desportiva. "Tenho provas de que o árbitro também agrediu o Tevez e vou levar a fita para o julgamento", contou Zanforlim, que ainda citou outra estratégia para a defesa do jogador. "O problema do Tevez é que ele não entende a língua portuguesa e não faz questão de entender. Aí se atrapalha. Vou até mostrar que, às vezes, os repórteres perguntam uma coisa e ele responde outra." Empate - No STJD o silêncio é total sobre a possibilidade de Tevez ser suspenso por um ano ou por até seis partidas, como determina o art. 252 do CBJD. Mas, com a condição do anonimato, alguns auditores aceitaram dar sua opinião. Dos cinco consultados pela Agência Estado, dois citariam o craque argentino no 252, dois no 188 e o outro no 187. "A ofensa foi grave demais para ficar somente em seis partidas. Esse moço precisa aprender a respeitar a mãe dos outros", afirmou um dos auditores.Apesar de discordarem quanto à punição de Tevez, todos concordaram em relação à reincidência do atleta. "É só olhar no código". O CBJD determina que um jogador condenado por qualquer infração num período de dois anos passa a ser considerado reincidente em caso de novo julgamento. E o atacante corintiano foi punido no dia 8 de junho com a suspensão de uma partida, por causa da expulsão contra o Atlético Mineiro, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.