Daniel Teixeira/ Estadão
Daniel Teixeira/ Estadão

Advogado do São Paulo define caso Iago como 'delicado' para o clube

Time do Morumbi vê dificuldade em evitar punição no STJD

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

17 de outubro de 2015 | 07h00

A Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) anunciou neste sábado que vai oferecer denúncia contra o São Paulo e demais envolvidos na contratação do zagueiro Iago Maidana. A transferência teria descumprido a norma da Fifa por ter a participação de investidores, além de ter ferido outras duas regulamentações nacionais. Como punição, os clubes podem ser multados, proibidos de registrar novos atletas e até ser rebaixados. Ainda não há data para o julgamento.

O advogado do São Paulo, Roberto Armelin, disse que ainda não havia recebido oficialmente a denúncia, mas reconheceu a gravidade da situação. "O São Paulo tem defesa, apesar de ser um caso bastante delicado. Falar de rebaixamento é um exagero", afirmou.

O São Paulo deve argumentar que a participação de investidores foi antes de fazer a compra do jogador. O Criciúma acusava o time paulista de aliciar o atleta, que defendeu a seleção brasileira no Mundial Sub-20. Já o Monte Cristo afirmou ter assinado com um jogador que estava sem contrato.

É a primeira vez que o futebol brasileiro terá um julgamento sobre a participação de investidores no futebol. "É um caso que vai passar a fixar o entendimento sobre essa questão no Brasil", explicou Armelin.

Em comunicado, a Procuradoria do STJD relatou uma série de irregularidades na aquisição do jogador pelo São Paulo. Segundo o órgão, Iago rescindiu contrato com o Criciúma no começo de setembro. A multa de R$ 400 mil foi paga por uma empresa chamada Itaquerão Soccer, intermediário não registrado na CBF.

Desde 1.º de maio a Fifa proíbe a participação de investidores em transferências, regra que faz a operação ser irregular. Outra infração se deu após à saída do Criciúma. O zagueiro passou dois dias registrado no Monte Cristo, da terceira divisão de Goiás, e depois acertou com o São Paulo, que no mês passado pagou R$ 2 milhões por 60% dos direitos econômicos.

"O Monte Cristo atuou como ponte para concretização da transferência e para atender os interesses da empresa", disse o comunicado do STJD.

A Itaquerão Soccer tem sede na Zona Leste da capital paulista, no endereço onde funciona uma distribuidora de bebidas.

A Procuradoria ofereceu denúncia ao analisar um dossiê elaborado pela CBF com documentos do caso. Os três clubes enviaram documentação e foram denunciados, assim como o próprio Iago Maidana.

Além das regras da Fifa, as equipes feriram dois regulamentos nacionais de participação de intermediários e transferências de atletas. O São Paulo vai responder por tripla infração ao artigo 191 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva.

As punições previstas variam de advertência, multa e perda pontos, até a suspensão do registro de novos jogadores por dois anos e rebaixamento. As sanções podem ainda ser aplicadas de forma cumulativa. Já o jogador de 19 anos pode ser suspenso ou até proibido de atuar.


Tudo o que sabemos sobre:
futebolSão Paulo FCIago Maidana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.