Enrique Marcarian/Reuters
Enrique Marcarian/Reuters

AFA discute possível volta de torcedores rivais aos estádios da Argentina

Assunto ganha espaço semanas entes do clássico entre River Plate e Boca Juniors

Mateus Andrighetto Tamiozzo, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2013 | 18h28

SÃO PAULO - Quase dois meses depois de a Associação de Futebol Argentino (AFA) proibir a presença de torcidas visitantes nos estádios do país, nesta terça-feira o Comitê Executivo da entidade se reúne em Buenos Aires para tratar do assunto com a possibilidade de revogar a medida. O encontro dos dirigentes do futebol argentino ocorre duas semanas antes do clássico entre River Plate e Boca Juniors, no Estádio Monumental de Nuñez, pelo Torneio Apertura.

O presidente da AFA, Julio Grondona, afirmou nesta segunda-feira que vai "respeitar o que for decidido" na reunião. Segundo o diário Olé, a expectativa é que os clubes integrantes do comitê tomem posição definida sobre o assunto, mas a decisão estará sob responsabilidade dos órgãos de segurança do país. O anúncio de Grandona foi feito um dia após uma novidade na Argentina. Domingo, foi utilizado pela primeira vez o sistema biométrico AFA Plus – para controlar o acesso de torcedores na partida entre Colón e San Lorenzo, em Santa Fé. Embora admita desconhecer o funcionamento correto da novidade e seus efeitos para o futebol, o líder da AFA destacou que "tudo deve ter saído bem", considerando que não houve críticas à medida.

HISTÓRICO DE VIOLÊNCIA

O fato que motivou a proibição de torcidas visitantes nos estádios argentinos ocorreu em 11 de junho, quando um torcedor do Lanús foi morto no Estádio Ciudad de La Plata, em partida com o Estudiantes. O cenário piorou após uma briga interna de uma torcida do Boca Juniors, que deixou dois mortos nas proximidades do Estádio Nuevo Gasómetro, antes de confronto com o San Lorenzo, em 21 de julho deste ano. Desde 1.931, quando o futebol profissional na Argentina dava seus primeiros passos, mais de 300 torcedores já morreram, resultado da violência entre torcidas, de acordo com o jornal La Razon.

Tudo o que sabemos sobre:
futinterAFAtorcidafutebol argentino

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.