Afastado, Argel dispara críticas

Argel conseguiu uma façanha na sua desatrada passagem pelo Palmeiras. Ninguém tolera sequer pensar no atleta: diretoria do clube, da Parmalat, jogadores e, principalmente, o ex-treinador Marco Aurélio. Afastado do grupo por não querer ficar na reserva de Paulo Turra, o jogador continua fazendo estragos com suas declarações. Primeiro revelou um churrasco feito pelo treinador onde foram consumidas 170 latas de cerveja. E nesta quinta-feira ameaçou fisicamente Marco Aurélio:"Eu não vejo a hora de reencontrá-lo em um campo de futebol. Não vou deixar passar em branco o fato dele haver dito que não tenho caráter. Mais dia, menos dia, vamos nos ver. E aí vamos resolver tudo de homem para homem", promete o zagueiro.As confusões que Argel arrumou quebraram a harmonia no Palmeiras. O novo treinador Celso Roth já pediu para os atletas não se desgastarem comentando as denúncias sobre o churrasco que aconteceu em Jarinu após a derrota contra o Corinthians."Mas eu só falei a verdade. Eu fui até o escritório do diretor Américo Faria e vi uma nota fiscal das coisas consumidas no churrasco. Foram exatas 170 cervejas. Nunca vi um churrasco com tanta bebida. O Marco Aurélio além de beber, começou a fumar e jogar cartas com atletas. Um treinador assim perde o respeito do grupo. Além disso, mais a incompetência dele. Como o Palmeiras em 11 partidas pode só vencer duas? Que treinador é esse?", pergunta, irônico.As declarações de Argel tiveram péssima recepção pelos dirigentes de todo o Brasil. Principalmente para os do Grêmio, clube a que está se oferecendo publicamente. "Eu quero jogar de novo no Rio Grande do Sul que é a minha terra. Saí do Internacional e agora vejo com muito interesse a vontade do Grêmio em me contratar. Tenho certeza que a minha carreira irá dar uma reviravolta se eu jogar no Olímpico", afirma o atleta.Só que Argel precisa se informar melhor. A Agência Estado entrevistou nesta quinta-feira o vice-presidente de futebol da equipe gaúcha, José Otávio Germano, e ele mostrou que a vontade dos dirigentes do Grêmio em ter Argel é nenhuma."Nós não temos o menor interesse no Argel. Não sei como ele pode sair por aí afirmando que estamos negociando. Isso é de um falta de senso inacreditável. Agora todo zagueiro que está desempregado fica se oferecendo ao Grêmio. Já foi assim com o Odvan do Vasco, com o Sandro do Botafogo e agora com o Argel do Palmeiras. Nós conhecemos bem o Argel que jogou no Internacional e não o queremos na nossa equipe." Trabalhando contra o zagueiro, a histórica rivalidade entre os clubes de Porto Alegre.Os dirigentes da Parmalat estão possessos com Argel. Em uma entrevista à uma rádia de Porto Alegre, o jogador garantiu que a Parmalat está deixando o futebol brasileiro. Por isso quer se livrar dos jogadores que possui o passe, como o do zagueiro. E foi além, assegurou que acabará o clube Etti de Jundiaí. Na cidade interiorana houve um reboliço quando a história chegou até os diretores do clube. Houve a necessidade de desmentido aos diretores, técnico e jogadores.O presidente Mustafá Contursi também não se conforma com o comportamento de Argel. Embora o treinador Celso Roth houvesse pedido a reintegração do jogador, o dirigente não aceitou nem começar a conversa. Agora o zagueiro que encontre um clube que acredite nele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.