Ennio Leanza/ Efe
Ennio Leanza/ Efe

Convidado , Joseph Blatter diz que irá ao Mundial de 2018

Ex-mandatário da Fifa foi convidado para o evento pelo presidente russo Vladimir Putin

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2017 | 07h40

GENEBRA - O ex-presidente da Fifa, Joseph Blatter, afirma que irá ao Mundial de 2018, na Rússia, convidado pelo presidente Vladimir Putin. Desde 2015, ele não deixa a Suíça, sob o risco de ser deportado aos EUA e foi afastado do futebol por seis anos. Mas o governo russo não conta com acordos de extradição com as autoridades americanas. 

+ Fifa vai decidir se Santos, Fla, Grêmio e São Paulo são campeões mundiais

+ Ex-presidente Blatter se diz traído e denuncia complô dentro da Fifa

 

Em declarações à agência AFP, Blatter confirmou sua ida ao evento, marcado para meados do ano que vem. "Eu irei ao Mundial da Rússia. Recebi um convite da parte do presidente Putin", disse, apontando que Michel Platini também teria recebido. O ex-jogador francês negou que tenha sido convidado. 

"Não sei quanto tempo ficarei por la", disse. "Não sei se irei ao jogo de abertura ou pela final", afirmou. "Como eu não posso trabalhar no futebol, não tenho uma missão a cumprir. Farei apenas uma passagem", afirmou. 

A Fifa preferiu não comentar a informação. Mas sua presença eventualmente na mesma sala vip do atual presidente, Gianni Infantino, e chefes-de-estado já causa saia-justa. A atual administração da entidade tenta se distanciar da "velha Fifa", inclusive para mostrar à Justiça americana que foi vítima daqueles antigos cartolas. 

"Tenho certeza de que a Copa de 2018 será um grande Mundial. Cabe à Rússia demonstrar que pode receber o mundo todo. É um grande desafio", disse. 

Blatter era favorável ao Mundial na Rússia, quando o evento foi dado ao governo de Putin, ainda em 2010.

O suíço ainda revela que está preparando um novo livro, no qual ele "conta coisas que ocorreram no passado". "Será bem salgado", alerta, sem dar detalhes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.