Afastamento de dois jogadores cria clima ruim no São Paulo

Por indisciplina, Fábio Santos e Carlos Alberto são punidos e afastados do clube na reta final do Paulistão

Giuliano Villa Nova, O Estado de S. Paulo

07 de abril de 2008 | 20h02

O afastamento do volante Fábio Santos e do meia Carlos Alberto constrangeu o restante do elenco do São Paulo. Não bastassem os problemas de suspensões e contusões que o time vem enfrentando nos últimos dias, o desfalque da dupla na reta final do Paulistão e da Libertadores causa incômodo entre os demais jogadores são-paulinos. Especialmente no caso de Fábio Santos, que teria agredido Carlos Alberto e tumultuado a concentração do time, antes do jogo contra o Juventus, domingo, no Morumbi. Veja também: Quais times estarão na final do Campeonato Paulista? Os números e destaques dos confrontos das semifinais Palmeiras tem até quarta para tirar 2.ª semifinal do Morumbi Apesar de a versão oficial do São Paulo não confirmar a briga entre os jogadores - limita-se a citar o caso como "ato de indisciplina" -, pessoas ligadas à diretoria do clube dizem que Fábio Santos foi afastado por 29 dias por ter agredido fisicamente Carlos Alberto. E não haverá perdão dos dirigentes para o volante, apesar dos pedidos dos jogadores mais experientes, casos do goleiro Rogério Ceni e do atacante Adriano.  "Perder dois jogadores é complicado, estamos com vários pendurados, o elenco reduzido e envolvido em decisões", comentou o volante Hernanes, visivelmente incomodado, durante a volta aos treinos nesta segunda-feira. Fábio Santos foi o último dos jogadores problemáticos do elenco são-paulino a se envolver em polêmica. Em março, Adriano foi multado pela diretoria - se atrasou a um treino, discutiu com a comissão técnica, e ameaçou um fotógrafo de agressão. E na última sexta-feira, foi a vez de Carlos Alberto sair da linha, ao perder o horário do treinamento.  Por sinal, o atraso de Carlos Alberto no treino de sexta-feira teria sido o estopim da nova crise. Irritada com a falha do jogador, a comissão técnica decidiu antecipar a concentração do jogo contra o Juventus, o que revoltou Fábio Santos e acabou provocando a briga entre os dois.  ERRO DE AVALIAÇÃO?Quando contratou o trio de jogadores polêmicos (Adriano, Fábio Santos e Carlos Alberto), no começo da temporada, o presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, apostava que a estrutura e o ambiente do clube poderiam recuperá-los e fazê-los render. Não contava que teriam uma recaída.  "O que vai acontecer com eles (Fábio Santos e Carlos Alberto) depende do presidente", explicou Marco Aurélio Cunha, superintendente de futebol do São Paulo. "O Fábio Santos cometeu uma indisciplina e foi punido." Com passagem pelo Cruzeiro, Fábio Santos tem contrato até 30 de julho (está emprestado pelo Lyon, da França) e já tinha histórico de confusões. Em 2004, quando defendia o São Caetano, agrediu a mulher e foi parar na delegacia. Também arrumou briga numa boate em Portugal, quando atuava no Nacional da Ilha da Madeira. Mas, na chegada ao São Paulo, jurou que estava "mais experiente e recuperado". Segundo a versão oficial do São Paulo, Carlos Alberto teria sido afastado para melhorar o condicionamento físico. Mas, estranhamente, o jogador era elogiado pela comissão técnica, até poucos dias atrás, pelo desempenho nos treinos. De qualquer maneira, ele nunca rendeu o esperado dentro de campo desde que foi emprestado, também até julho, pelo Werder Bremen, da Alemanha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.