Reprodução/Protektorvest
Reprodução/Protektorvest

África do Sul critica venda de colete 'contra facadas' para Copa

Autoridades dizem que companhia inglesa que vende produto está gerando 'medo infundado' para o evento

BBC Brasil, BBC

18 de janeiro de 2010 | 18h27

As autoridades sul-africanas criticaram uma empresa sediada em Londres, na Inglaterra, que planeja vender coletes contra facadas para turistas estrangeiros durante a Copa do Mundo.

A empresa Protektorvest, que vende seus produtos pela internet, disse que existe "grande demanda" por roupas protetoras e que os coletes contra facadas - que custam aproximadamente US$ 70 (R$123) - são "a proteção pessoal número 1 para a Copa do Mundo de 2010".

A polícia nacional da África do Sul disse que a companhia estava provocando "medo desnecessário".

O diretor da South Africa Football Association (Safa), Kirsten Nematandani, disse que foram adotadas várias medidas para garantir a segurança dos visitantes durante o evento esportivo.

Nematandani criticou os donos da companhia e pediu que eles sejam "condenados por oficiais de seu próprio país".

"Essas pessoas estão fora de controle (...), nunca ouvimos falar de medidas desse tipo sendo adotadas antes e com certeza não há necessidade para isso", disse o chefe da Safa ao jornal sul-africano Times.

A África do Sul tem um dos índices mais altos de violência do mundo, mas as autoridades dizem que vão fortalecer a segurança durante a Copa.

'NECESSIDADE'

O dono da empresa Protektorvest, Sascha Cutura, negou que a companhia esteja dizendo que a África do Sul não é segura.

"Nós atendemos a uma necessidade de pessoas preocupadas com segurança", disse Cutura à BBC.

A empresa está criando uma campanha volta aos turista que prestigiarão a Copa Mundo. Segundo a companhia, as torcidas podem adicionar a bandeira do seu país ao colete, ou seus slogans preferidos.

De acordo com o site da Protektorvest, a empresa planeja abrir escritórios perto do aeroporto internacional de Johanesburgo durante a Copa do Mundo.

Cutura disse que é lá que a empresa espera vender a maioria dos seus coletes.

A correspondente da BBC em Johanesburgo, Pumza Fihlani, disse que autoridades ligadas à segurança normalmente aconselham viajantes estrangeiros a evitar "chamar a atenção".

Ela diz que turistas vestindo coletes contra facadas em jogos de futebol ou em passeios turísticos podem atrair mais atenção - potencialmente aumentando suas chances de ser atacados.

Cutura, por sua vez, disse que os coletes podem ser usados sob a roupa para evitar o problema.

Grupos britânicos também se manifestaram contra os coletes. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.