Siphiwe Sibeko/Reuters
Siphiwe Sibeko/Reuters

África do Sul está pronta para estrear contra o Iraque

Seleção comandada pelo brasileiro Joel Santana quer começar bem a Copa das Confederações

Mike Collett, Reuters

13 de junho de 2009 | 14h30

JOHANESBURGO - A África do Sul não tem preocupações com contusões e está pronta para começar a festa contra o Iraque, atual campeão asiático, na partida de abertura da Copa das Confederações, afirmou o técnico Joel Santana neste sábado. O confronto deste domingo, marcado para às 11 horas (de Brasília), terá acompanhamento online do estadao.com.br.

Veja também:

linkPrimeiro desafio da Espanha é contra a Nova Zelândia

Copa das Confederações 2009 - tabela Classificação

Copa das Confederações 2009 - lista Calendário

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

O brasileiro de 61 anos afirmou durante coletiva de imprensa na véspera do jogo no estádio de Ellis Park que seus jogadores estão em forma e que, apesar do susto durante o treino deste sábado, o meia Teko Modise enfrentará o Iraque no jogo de abertura do Grupo A.

"Tivemos alguns pequenos problemas esta manhã, mas nada sério", disse ele. "Estamos prontos e queremos começar essa festa o quanto antes. Sabemos que há grandes expectativas sobre nós porque somos os anfitriões, mas estamos otimistas de que podemos ir bem na competição e começar com uma grande atuação contra o Iraque."

Aaron Mokoena, capitão da seleção da áfrica do Sul, afirmou que está começando a ver o início de uma "nova vibração" no país com o iminente começo do torneio, um teste para a Copa do Mundo do ano que vem.

"Sentimos isso já", disse Mokoena. "Para nós jogadores é encorajador saber que tantas pessoas estão vindo para o jogo e para os treinos, você pode realmente sentir que essa vibração está começando e está aqui."

Ele também sente que a presença do presidente sul-africano, Jacob Zuma, durante a sessão de treinamento da equipe no sábado marcou os jogadores. "O fato de o presidente estar aqui nos fez ganhar o dia, para ser honesto", disse Mokoena.

"Eu lembro que há uns dois meses ele veio ver nosso jogo contra a Guiné Equatorial e sua presença foi um incentivo extra para nós. Que ele tenha tirado um tempo de seu carregado calendário esta manhã para nos ver e falar conosco e nos desejar sorte - isso significa muito para nós. Esperamos amanhã levar isso para o jogo e sair com uma vitória. Ter cinco minutos com o presidente significou muito para nós", destacou. 

A África do Sul precisa de uma vitória sobre o Iraque, já que a queda de rendimento da seleção nos últimos anos fez cair a presença do público nas partidas. A equipe também caiu para 72.° lugar no ranking da Fifa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.