África do Sul: favorita para sediar Copa

A África do Sul saiu na frente na corrida para sediar a Copa do Mundo de 2010, a primeira que será realizada no continente africano. Nesta terça-feira, a Fifa divulgou seu relatório técnico sobre as candidaturas, a pouco mais de uma semana da data da escolha final. Além dos sul-africanos, Egito e Marrocos mantêm suas esperanças de sediar o evento. Os outros dois pretendentes, Líbia e Tunísia, estariam praticamente descartados.Segundo o relatório divulgado pela Fifa, a África do Sul tem o "potencial para organizar uma excelente Copa do Mundo". Os sul-africanos perderam por apenas um voto o direito de sediar o Mundial em 2006, privilégio que ficou para a Alemanha. Na época, acusações de corrupção e de racismo tomaram conta da entidade máxima do futebol.Agora, o documento da Fifa revela que se o evento de fato for para a África do Sul, poderá gerar "uma significativa unidade entre os diferentes grupos étnicos que foram separados socialmente, culturalmente e no esporte por anos".Para a Fifa, as instalações sul-africanas são as melhores entre os candidatos e o legado de um Mundial seria uma "grande contribuição ao país".Apesar dos elogios, a Fifa reconhece que o país ainda precisa de ajuda em termos de planejamento de estádios, qualidade do gramado e vendas de ingressos. As críticas, porém, não impediram a euforia dos representantes sul-africanos, que afirmam que levarão para o dia da escolha da sede da Copa, 15 de maio, em Zurique, personalidades como Nelson Mandela e o próprio presidente do país, Thabo Mbeki.A Fifa reservou seus elogios também para o Egito e destaca que o potencial do país para organizar o Mundial é "excelente". Apesar disso, os técnicos afirmam que o evento no Cairo seria apenas "muito bom".Sobre o Marrocos, a Fifa se limitou a dizer que o país tem um potencial "muito bom" para a organização do evento. A proximidade do país com a Europa, o histórico da seleção nacional nas copas do mundo e a preferência explícita de alguns governos, como o da Espanha, davam indicações de que o Marrocos poderia ser um dos preferidos. Mas problemas relacionados à infra-estrutura deixaram país em um teórico terceiro lugar no documento técnico.No caso da Tunísia, a entidade máxima do futebol apenas declara que o país poderia ter um "bom evento", mas recusa a oferta feita pelo governo local, que pretendia unificar sua candidatura com a da Líbia, como ocorreu em 2002 entre o Japão e a Coréia. "A possibilidade ter ter dois países sediando a Copa do Mundo de 2010 está fora de questão", afirmou a entidade.Já no caso da Líbia, a Fifa praticamente descartou qualquer eleição de Trípoli para receber o evento, alegando que o país "encararia grandes dificuldades na organização da Copa do Mundo".O relatório da Fifa não tem como objetivo escolher o vencedor da corrida, mas orientar os 24 membros do Comitê Executivo da entidade que, no próximo dia 15, irão votar pelo país que terá o direito de sediar o Mundial de 2010.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.