África do Sul vai sediar Copa de 2010

A Copa do Mundo de 2010 será realizada naÁfrica do Sul. Dos 24 membros do o Comitê Executivo daFifa que neste sábado escolheram a sede do evento, 14 deramseus votos aos sul-africanos, entre eles o Brasil,contra dez votos para Marrocos. Apesar de conseguirrecuperar o mal-estar causado em 2000 quando a Áfricado Sul foi derrotada pela Alemanha por apenas um votopara sediar a Copa de 2006, a Fifa não evitou outrapolêmica: o primeiro país africano que sediará umMundial não recebeu sequer um voto dos demais paísesafricanos que fazem parte do Comitê Executivo daentidade máxima do futebol.A África do Sul já aparecia com um dos destaquesdepois do sentimento de injustiça que prevaleceu nacomunidade esportiva diante da vitória da Alemanhapara sediar o Mundial de 2006. A campanha sul-africanacontou ainda com poderosos garotos-propaganda, como oex-presidente Nelson Mandela, e recursos de mais deUS$ 17,5 milhões para fazer lobby. A confirmação dofavoritismo da África do Sul foi dada quando a Fifadivulgou seu relatório técnico sobre as candidaturaspara 2010. Segundo o documento, os sul-africanosteriam chances de organizar uma "excelente" Copa doMundo e dos 13 estádios que seriam necessários para oMundial, apenas quatro precisariam ser construídos dozero.A vitória ainda foi considerada como uma das melhoresformas de dar à África do Sul o incentivo final para odesenvolvimento e a unidade do país depois de décadasfora das competições e da política internacional porcausa do Apartheid. A esperança dos sul-africanos é deque o Mundial renda mais de US$ 20 bilhões ao país ecerca de 150 mil novos postos de trabalho.Votação - Apesar de vencer a eleição já no primeiroturno, os sul-africanos foram surpreendidos pelaoposição dos demais países africanos. Mali e Camarõesvotaram pela candidatura de Marrocos. A Tunísia,depois de desisitir de sua própria candidatura um diaantes da votação, optou também pelo marroquinos. Atémesmo o delegado de Bostuana, Ismail Bhamjee, quenasceu na África do Sul, votou por Marrocos emresposta contra falta de apoio de Johanesburgo em suacandidatura para liderar a Conferederação Africana deFutebol. Os marroquinos ainda receberam os votos dedois países asiáticos e da Espanha e a França,representada por Michel Platini.Marrocos, que tentava pela quarta vez sediar a Copa,acusou ainda o presidente da Fifa, Joseph Blatter, deter influenciado a votação. As acusações de Rabat foirespondida de forma enérgica por Blatter: "Não aceitoesse tipo de comentários". Just Fontaine, atacante queatuou pela França na Copa de 1958 e nascido emMarrocos, deixou claro sua frustração e lembrou que adecisão havia sido tomada não levando em conta osaspectos esportivos. Críticos apontam que a seleçãonacional ocupa apenas a 40a colocação no ranking daFifa.Logo após o resultado, o presidente sul-africano,Thabo Mbeki, se apressou para enviar uma mensagem dePretória de que "a África do Sul será o lar para todaa África" durante o Mundial. Nelson Mandela, que nãoescondia seu entusiasmo em Zurique apesar de seus 85anos, também se mostrou ciente de que os sul-africanosconquistaram o direito de sediar o evento sem o apoiode seu próprio continente. "Precisamos receber avitória como humildade pois somos todos iguais",afirmou, encorajando os países que não venceram a"competir nas próximas ocasiões". A "próxima ocasião"para os africanos, se a rotação prometida pela Fifa defato ocorrer, será em 2030.A vitória sul-africana foi obtida em parte graças aosdelegados da América do Sul, Caribe e América doNorte, que votaram em uníssono. Ricardo Teixeira, daCBF, o argentino Julio Grondona, Nicolaz Leoz doParaguai, os Estados Unidos e a Costa Rica optarampelos sul-africanos. Na Europa, os votos da Suíça,Suécia e da própria Alemanha também contribuíram.Segundo revelou ao Estado um porta-voz do governo dePretória, o Brasil já havia prometido seu voto e opróprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva teriamanifestado seu apoio quando visitou os sul-africanoshá poucos meses.Fracassos - Para os demais candidatos, a campanha paraa Copa de 2010 foi um festival de fracassos. O Egitonão conseguiu um só voto, o que deixou delegaçãoconstrangida. Um dia antes, a Tunísia anunciou que seretirava da competição já que a Fifa havia dito quenão aceitaria um evento com jogos em dois países, comoqueria Túnis. Neste sábado, foi a vez da Líbia ser obrigada asair da competição. Oficialmente, a Fifa anunciou queo país não "cumpriu todos as exigências" para sediar oevento. Fontes extra-oficiais, porém, alertavam que omotivo teria sido a recusa dos líbios em aceitar quejogadores de Israel participassem do Mundial casofossem classificados.Das 17 Copas realizadas desde 1930, nove ocorreram naEuropa, sete nas Américas, e uma na Ásia. O próximoevento da Fifa ocorre em 2006 na Alemanha e, para2014, o grande favorito é o Brasil, que agora esperacontar com o apoio dos sul-africanos.Veja quem votou em quem:ÁFRICA DO SUL: Suíça, Argentina, Escócia, Suécia,Trinidad, Costa Rica, Paraguai, Brasil, Estados Unidos, Tailândia, Rússia, Alemanha, Tonga e Japão.MARROCOS: Camarões, Coréia, Espanha, França, Bélgica,Tunísia, Catar, Turquia, Botsuana e Mali.EGITO: Nenhum votoLíbia: DesqualificadaTunísia: Retirou candidatura

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.