África do Sul volta a prometer Copa sem problemas

A mandatária da província mais populosa da África do Sul defendeu nesta terça-feira os preparativos para a Copa do Mundo, que começa em 11 de junho, e disse que o país tem trabalhado mais do que os anfitriões anteriores.

AE-AP, Agencia Estado

23 de março de 2010 | 13h53

A primeira ministra de Gauteng, Nomvula Mokonyane, afirmou que sua província, onde estão as sedes de Johannesburgo e Pretoria, está pronta, apesar das preocupações que causaram uma greve de transportes, a escassez de quartos e a alta criminalidade.

"Apesar das informações negativas que provêm de fontes conhecidas e desconhecidas que estão decididas a manchar a imagem do nosso país, estou confiante de que a África do Sul esteja pronta para realizar a Copa do Mundo", disse Nomvula.

A província de Gauteng reúne os estádios Soccer City e Ellis Park, em Johannesburgo, e o Loftus Versfeld, em Pretoria. Neles, serão disputadas 21 dos 64 jogos do Mundial, incluindo a abertura e a final. Além disso, 19 dos 32 países, incluindo Brasil, Itália e África do Sul, vão ficar hospedados nesta região.

Assim, Johannesburgo, que tem fama de ser cenário de crimes violentos, receberá um grande número de torcedores. "Somos um país intolerante com o crime, um país que está pronto para que esse Mundial se converta em um legado", disse Nomvula.

"Temos dado o esforço máximo em comparação com outros países que foram anfitriões".

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2010África do SulGauteng

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.