Agora, Corinthians vai às compras

O Corinthians deve começar esta semana uma grande operação para preencher vagas abertas no grupo que deverá disputar o Campeonato Brasileiro e a Copa Mercosul neste semestre. Hoje, o clube iniciou uma renovação radical na equipe dispensando nove jogadores. Estão fora dos planos do técnico Wanderley Luxemburgo os seguintes atletas: o goleiro Maurício, o lateral Índio, os zagueiros João Carlos, Ávalos e Fábio Luciano, os volantes Gallo e Marcos Sena e Pereira mais o atacante Fernando Baiano. Nem Luxemburgo, nem Citadini, confirmaram se todos os jogadores afastados serão substituídos. Os nove dispensados, somados ao lateral André Luiz, que voltou para o Tenerife, da Espanha, quase compõem um time. "Já estamos trabalhando para trazer alguns reforços, mas ainda é cedo para falar em números", disse o vice-presidente de futebol, Antônio Roque Citadini. Luxemburgo preferiu não adiantar quantos jogadores irá necessitar em seu grupo de trabalho ou nomes de atletas que interessam. Os atletas que foram mantidos no Alvinegro viajaram hoje para Extrema (MG), onde farão uma pré-temporada. Os afastados vão participar de uma reunião na tarde desta terá-feira com o diretor Edvar Simões onde serão informados sobre a postura do clube com relação a negociação de passes com outros clubes ou acertos financeiros pendentes. Os atletas se reuniram hoje no início da manhã para um treino físico em Itaquera e, enquanto isso, Luxemburgo teve uma reunião com Citadini. Ao final das atividades o grupo foi reunido em uma sala onde foram anunciados os cortes. Os dispensados, com exceção do volante Gallo e do zagueiro Ávalos, saíram em disparada para os automóveis, deixando o centro de treinamento sem querer falar sobre o assunto. Nem mesmo os que escaparam da "degola" quiseram fazer comentários. Consenso - Os únicos a falar foram Luxemburgo e Citadini. O técnico não escondeu que a tarefa de anunciar os jogadores que seriam afastados, depois de uma temporada de reabilitação da equipe, foi uma tarefa particularmente penosa, mas presente no trabalho do técnico de futebol. "A lista foi resultado de um consenso da comissão-técnica depois de vários dias de reunião. Não nego que foi doído comunicar a decisão porque considero alguns dos jogadores como amigos meus." Luxemburgo preferiu não entrar em detalhes sobre os critérios técnicos que usou para determinar os dispensados falando apenas de alguns casos específicos, como o do zagueiro João Carlos. Luxemburgo ressaltou que o que pesou na dispensa do jogador, que foi capitão do time campeão paulista deste ano, foram os atritos que ele teve com a diretoria em ocasiões anteriores. "Aqui qualquer erro dele viraria uma tragédia, acho até melhor que ele possa seguir carreira em um outro clube onde as falhas naturais de um jogador sejam encaradas com naturalidade." Durante a entrevista que concedeu depois das dispensas, Luxemburgo procurou ressaltar que a atual fase do Corinthians é resultado de um processo natural de renovação de um grupo. "O que aconteceu faz parte do dia-a-dia do futebol e o importante é que os jogadores que não vão ficar saibam que a vida deles como atleta não acaba aqui. Ela continua." O técnico ressaltou que preferiu anunciar as dispensas também para dar possibilidade ao jogadores de encontrarem um clube no segundo semestre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.