Agora dirigente, Tinga quer fazer valer o 'DNA vencedor' do Cruzeiro

Ex-jogador pretende reeditar passado recente do clube

Estadão Conteúdo

06 de janeiro de 2017 | 17h09

O volante Tinga está de volta ao Cruzeiro em 2017, mas em uma nova função. Aposentado dos gramados, ele será o gerente de futebol do clube que defendeu na reta final da carreira e que ajudou a conquistar o Brasileiro em 2013 e 2014. Agora, ele quer resgatar o passado recente de glórias do time celeste.

"A imagem do Cruzeiro vencedor que eu tenho sempre é a do Mineirão lotado e dos torcedores discutindo, antes dos jogos, qual seria o resultado, porque quase sempre eles e nós sabíamos que a vitória viria. Sei que, para isso acontecer novamente, temos que trabalhar muito. Vamos trabalhar em conjunto, até porque futebol não se faz sozinho, e o Cruzeiro já tem isso no seu DNA vencedor. Vamos apenas buscar retomar esse caminho da melhor maneira possível e posso garantir que isso já vem sendo feito por todos aqui dentro", declarou ao site do clube.

Tinga atuou no Cruzeiro já na reta final da carreira, com a experiência de quem já havia vestido camisas como as de Grêmio, Internacional, Borussia Dortmund e seleção brasileira. Até pela idade avançada, passou a maior parte do tempo na reserva, mas se destacou pelo espírito de liderança, característica que ele quer levar para sua nova função.

"O fato de ter vivido quase tudo o que o atleta vive na carreira pode facilitar um pouco para que eu exerça essa função, que é de liderança e de construir algumas pontes. O futebol costuma ter muitos muros e as partes não se comunicam tanto. Sempre fiz isso nos grupos, tentar ligar jogadores aos diretores e funcionários. E liderança é algo natural. Penso que em diversos setores há sempre vários líderes e cada um deve saber respeitar o espaço do outro. Não é porque você é um líder que você deve deixar de ouvir outras pessoas. Pelo contrário. O conhecimento é externo e não nasce com ninguém", comentou.

O dirigente também fez questão de celebrar o retorno para o clube que tem como "casa". "Estou feliz por iniciar minha nova carreira, meu novo emprego, em um lugar onde eu fui muito feliz. O clube em que tive o prazer de encerrar minha carreira, da melhor forma, com felicidade e alegria, é o mesmo que está me dando a oportunidade de iniciar uma nova função como gerente de futebol. É algo para o qual me preparei e que sempre quis para mim. É uma alegria imensa, mesmo sabendo da responsabilidade e do trabalho que teremos."

Tudo o que sabemos sobre:
TingaCruzeiroFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.