Agora é oficial: Ronaldo no Real

O Real Madrid finalmente acertou a contratação de Ronaldo. Depois de dois meses de negociações, com várias reviravoltas, o clube espanhol definiu a compra do atacante brasileiro no último dia possível, já que neste sábado se encerram as inscrições para a Liga dos Campeões da Europa. Pelo artilheiro da Copa da Coréia/Japão, a Inter de Milão receberá US$ 35 milhões e mais um jogador do time espanhol a ser definido em janeiro - caso não haja acordo, o Real pagará mais US$ 10 milhões. Faltavam apenas 40 minutos para o encerramento das inscrições de jogadores para a Liga dos Campeões quando finalmente Inter e Real entraram em acordo sobre a transferência de Ronaldo. Os dois clubes já anunciaram oficialmente o negócio e o atacante brasileiro se apresenta na segunda-feira ao seu novo time, onde formará o ?ataque dos sonhos? com Figo, Zidane e Raúl. Foi um dia tenso e agitado para os dois clubes e, principalmente, para o jogador brasileiro. Às 5 horas deste sábado (meia-noite no horário de Brasília), Florentino Perez - presidente do Real - e Massimo Moratti - presidente da Inter - haviam chegado a um acordo: o clube espanhol pagaria US$ 20 milhões, cederia Morientes (que seria imediatamente repassado ao Barcelona por 22 milhões) e daria outro jogador ou mais 10 milhões em janeiro. Ronaldo e seus assessores amanheceram dando o negócio como certo e o ?Fenômeno? até fretou um jatinho para levá-lo a Madri às 18 horas. A Inter agiu rapidamente e logo contratou um substituto para o brasileiro: o argentino Hernán Crespo, que era da Lazio, por US$ 26 milhões e o empréstimo por um ano do atacante Corradi. Ronaldo foi chamado à sede da Inter ao meio-dia para resolver questões burocráticas e acertar a rescisão de seu contrato, mas o que parecia estar definido por pouco não fracassou. O Barcelona não chegava a um acordo com Morientes e por isso, o negócio não podia ser oficialmente anunciado. O tempo foi passando e torcedores da Inter se aglomeravam na frente da sede do clube com faixas e cartazes ofensivos ao jogador brasileiro. A duas horas do encerramento do prazo de inscrições na Liga dos Campeões veio o golpe que quase acabou com o sonho de Ronaldo: o Barcelona desistiu de Morientes e deixou um "buraco" de US$ 22 milhões na negociação. O Barcelona divulgou um comunicado dizendo que "não foi possível chegar a um acordo" com Morientes. Na cidade, não havia dúvida de que a manobra havia sido intencional para tentar impedir que o rival contratasse Ronaldo. Os torcedores do Barça não perdoariam a diretoria por participar de uma triangulação que ajudasse o Real Madrid. Em Madri, os dirigentes do Real ficaram furiosos com a atitude do Barcelona e tiveram de pensar em outra proposta para fechar o negócio dentro do prazo. Às 23h20 (horário italiano), mais de 11 horas depois da chegada de Ronaldo à sede da Inter, o martelo finalmente foi batido. O Real Madrid ainda não informou qual será a duração do contrato do atacante nem o valor que ele receberá. Mas Ronaldo se encaixará no padrão estabelecido pelo presidente Florentino Perez no que diz respeito aos contratos publicitários. Em todo contrato que firmar daqui para a frente, o clube ficará com 50% do valor. E o mesmo ocorrerá quando for renovando os contratos publicitários que tem em vigor (Nike, Ambev, TIM e Pirelli). A novela que terminou neste sábado durou dois meses, desde a final da Copa do Mundo, quando Ronaldo manifestou seu desejo de deixar a Inter. O primeiro contato com o Real aconteceu no dia 2 de agosto, quando Alexandre Martins - um dos procuradores do atacante - se reuniu em Madri com Jorge Valdano, diretor geral do clube espanhol, e lhe disse que o Fenômeno estava decidido a deixar a Inter. Desde então, a negociação teve muitas idas e vindas. O Real Madrid anunciou "oficialmente" duas vezes que havia desistido do negócio e o presidente da Inter cansou de repetir que o jogador ficaria em Milão. Na sexta-feira, chegou a dizer que "só um milagre" levaria Ronaldo ao Real Madrid. O atacante jogou cinco temporadas na Inter, mas só a primeira foi boa - fez 25 gols no Campeonato Italiano e conquistou a Copa da Uefa. Passou dois anos sem jogar por causa de lesões no joelho direito e acabou saindo pela porta dos fundos, hostilizado pelos torcedores que um dia o amaram e o chamaram de "Fenômeno".

Agencia Estado,

31 Agosto 2002 | 18h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.