Agora, São Paulo quer triunfar na Copa Libertadores

Para voltar a conquistar o torneio continental, goleiro Rogério Ceni diz que equipe precisará de reforços

Redação

08 de dezembro de 2008 | 09h50

A principal meta do São Paulo em 2008 era a conquista da Copa Libertadores, sonho que foi interrompido pelo Fluminense. O clube, no entanto, conseguiu se levantar e conquistou neste domingo o tricampeonato do Brasileirão, após vitória sobre o Goiás por 1 a 0, no Bezerrão. O desejo dos jogadores, no entanto, segue o mesmo: a competição sul-americana.Veja também:A hegemonia tricolor no BrasileirãoMonte seu time dos sonhos do São PauloDagoberto atribui boa fase no São Paulo ao fim de lesõesRogério Ceni dedica título a Marcelo Portugal GouvêaSão-paulino baleado no Gama segue em estado graveSão Paulo é campeão brasileiro pela 6.ª vez na históriaVitória sobre o Goiás dá o título para o São Paulo Brasileirão 2008 - Classificação Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão"Após passarmos por este momento de felicidade, vamos ver o que a diretoria planeja para a Copa Libertadores, que é um grande sonho", afirma o goleiro Rogério Ceni. "Agora, eu posso falar que precisamos de reforços. Temos algumas posições carentes, e eu espero que o doutor Juvenal [Juvêncio] consiga fazer as contratações."Como campeão do Brasileirão, o São Paulo entrará no Grupo 4 da Copa Libertadores, que já tem o Defensor Sporting, do Uruguai. Os outros integrantes da chave serão o segundo representante da Colômbia e o ganhador do duelo entre Peñarol (URU) e o terceiro representante colombiano - jogo eliminatório que acontecerá na primeira fase da competição.ATENÇÃOMuricy Ramalho continuará no comando do São Paulo. O treinador terá férias com o elenco até o final do ano, mas indicará nomes para serem contratados pelo presidente Juvenal Juvêncio. Entretanto, antes de qualquer definição sobre a Libertadores, Muricy quer que o São Paulo cobre a punição do dirigente que disse que o clube teria subornado o árbitro Wagner Tardelli."Temos de punir esse cara, porque aqui se trabalha amigo", afirma o treinador. "Não podemos deixar impune um fato como esse. A CBF tem de punir exemplarmente. Fizemos um campeonato brilhante, mesmo com alguns problemas, e merecemos respeito [a CBF deve se manifestar nesta segunda-feira sobre o ocorrido]."De acordo com o presidente Juvenal Juvêncio, o responsável por criar a polêmica do suborno foi o presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Marco Polo Del Nero, que tentou desestabilizar o ambiente do São Paulo "por causa da inveja."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.