Agredida, Ponte exige punição ao São Paulo

A agressão de torcedores são-paulinos sobre os jogadores da Ponte Preta no saguão do Morumbi após o jogo de quinta-feira à noite deixou os ponte-pretanos indignados. Enquanto os jogadores lamentaram a falta de segurança num dos maiores estádios particulares do mundo, os dirigentes cobram uma punição imediata ao clube por parte da CBF. O próprio departamento técnico pode tirar um mando de campo do São Paulo, independente do julgamento no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva). ?É o que consta no artigo 46 do livro de normas das competições organizadas pela entidade", alega o advogado Antonio Gugliota, que vai dar prosseguimento ao caso. Neste artigo, o clube mandante é responsável por qualquer ato de violência, antes e durante a competição, contra árbitro, assistentes, dirigentes, atletas e funcionários do clube visitante. ?A confusão aconteceu porque os portões foram abertos para os torcedores darem uma pressão no juiz. O saguão do Morumbi virou uma arquibancada. Uma piada", comentou o diretor Ricardo Koyama, um dos mais atingidos pela violência dos torcedores, sofrendo escoriações nos joelhos. Ele registrou queixa na 96ª Delegacia de Monções, no Brooklin Novo, acompanhado do goleiro Lauro, que além de levar socos e pontapés sofreu uma escoriação no ombro esquerdo. Os dois também passaram por exame de corpo de delito no Hospital das Clínicas de são Paulo. O volante Roberto, também envolvido na confusão, explicou exatamente como tudo começou. ?Os torcedores estavam no saguão e quando viram a gente passar começaram a provocar. Diziam que estes caras não recebem nem salários, vêm aqui e ganham da gente." A confusão aconteceu no momento em que os jogadores se dirigiam para o ônibus. Lauro foi agredido, sendo socorrido por outros companheiros como Roberto e Fábio Júnior, que também trocaram socos e empurrões com os agressores. A delegação pernoitou em São Paulo, porque às 9 horas embarcou para Fortaleza, com escala em Brasília. A Ponte volta a campo domingo pela manhã, às 9 horas, contra o Fortaleza, no Castelão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.