Rubens Chiri/Divulgação
Rubens Chiri/Divulgação

Água Santa acerta com Pintado para a sequência do Paulistão

Técnico chega com moral, após salvar o Figueirense do rebaixamento para a Série C do Brasileiro no ano passado

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2020 | 21h37

O Água Santa já tem novo técnico para a sequência do Campeonato Paulista. No começo da noite desta sexta-feira, ficou definido que Pintado substituirá Fernando Marchiori à frente do clube de Diadema.

O novo comandante chega à Arena Inamar com moral elevado. Afinal de contas, ele foi um dos grandes responsáveis por livrar o Figueirense do rebaixamento na última edição da Série B do Campeonato Brasileiro.

Contratado para a reta final, Pintado comandou o Figueirense nas últimas nove partidas e não perdeu nenhuma: foram duas vitórias e sete empates. Assim, os catarinenses ficaram no 16º lugar, com 41 pontos, escapando da queda com uma rodada de antecedência.

"Disputar o Paulistão é uma vitrine muito importante para todos os profissionais do País. Quero acrescentar e levar a experiência que tive pelo Figueirense. Já iniciamos o trabalho, monitorando os adversários, tudo o que vem pela frente. Estou muito feliz pela oportunidade", afirmou.

Luís Carlos de Oliveira Preto, o Pintado, tem 54 anos, e já dirigiu clubes importantes do futebol paulista, como Inter de Limeira, São Caetano e Guarani, e do futebol brasileiro, casos de América Mineiro e Náutico. Entre 2016 e 2017, foi auxiliar no São Paulo.

No Morumbi, aliás, Pintado fez história como jogador. Nos anos 1990, fez parte da geração conhecida como "Era Telê Santana" e conquistou títulos como o Mundial Interclubes de 1992 e a Libertadores de 1992 e 1993.

O Água Santa volta a campo neste domingo, às 11 horas, quando recebe o Ituano, em Diadema. O Netuno ainda está zerado, aparecendo na lanterna do Grupo A e dentro da zona de rebaixamento para a Série A2 do Paulista de 2021.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.