Divulgação
Divulgação

Água Santa deixa o amadorismo rumo à elite do Paulistão

Clube será o primeiro representante de Diadema no torneio

Renan Fernandes, O Estado de S. Paulo

02 de maio de 2015 | 17h00

Celeiro de grandes jogadores do futebol brasileiro como Denílson, David Luiz e Lucas, a cidade de Diadema pode ter seu primeiro representante na 1ª divisão do Paulistão. O Esporte Clube Água Santa ocupa a 3ª posição na Série A-2 e precisa de apenas um empate contra o Velo Clube neste domingo, às 10h, no Estádio Benitão, em Rio Claro, para garantir uma vaga na elite paulista.

Fundado em 1981, o Netuno, como é conhecido por sua torcida, tem uma ascensão meteórica depois que profissionalizou, em 2011. Foi vice-campeão da 4ª Divisão do Campeonato Paulista logo em sua temporada de estreia. No ano seguinte, terminou a Série A-3 na 3ª posição e conseguiu vaga na segundona.

'Nesse momento não podemos ficar comemorando nada, temos que buscar o resultado', alerta o treinador Márcio Ribeiro, que está no comando do clube desde a passagem do amador para o profissional, e faz questão de blindar o grupo do clima de euforia criado pela população da cidade.

A sequência de acessos ainda não satisfaz a comissão técnica e o presidente do clube, Paulo Farias, que já trabalham com uma meta para quando chegarem a Série A-1. 'O primeiro passo assim que a equipe subir é brigar para ficar entre os melhores dos pequenos e garantir um lugar na Série D do Brasileirão', conta Márcio.

Além de jogar contra adversários de tradição como Guarani e Paulista, o Água Santa também teve que jogar algumas partidas como mandante fora do seu estádio, o Distrital do Inamar. O campo ficou interditado até a 11ª rodada da Série A-2 para que o gramado sintético fosse substituído por grama natural.

Com passagens por clubes como Corinthians e Paraná, volante Serginho fala com emoção sobre levar o clube da cidade onde mora desde os 9 anos para a 1ª divisão. 'Estou fazendo parte de um sonho. Sempre pensei nessa possibilidade, mas não imaginava que seria tão rápido. O pessoal aqui nas escolinhas já fica imaginando um partida do Água Santa contra o Corinthians, contra o Palmeiras.'

Eufórico com o feito do Netuno, Serginho já se prepara para uma dura realidade no segundo semestre: ficar desempregado. 'De novo vamos passar por isso. Ano passado grande parte do elenco que teve participação ativa no acesso teve que ficar em casa. Eu mesmo fui para o Taubaté para me manter em atividade, mas não recebi salário nesse período todo'. Ainda não foi definido se o Água Santa vai participar da Copa Paulista, no entanto, o jogador torce para uma resposta positiva. 'Eu fico pedindo a Deus para ter alguma competição, assim temos trabalho o ano inteiro'.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    Água SantaCampeonato Paulista

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.