Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Aguilar diz que protestos da torcida santista 'não surpreenderam'

Zagueiro garante elenco focado da sequência do Brasileirão, independentemente do clima externo

Redação, Estadão Conteúdo

10 de junho de 2019 | 18h49

O clima de protesto antes, durante e depois do triunfo do Santos por 3 a 1 sobre o Atlético Mineiro, domingo, na Vila Belmiro, não surpreendeu o zagueiro Felipe Aguilar. No clube desde o início do ano, o zagueiro colombiano citou a sua passagem pelo Atlético Nacional como natural após o time ter sido eliminado da Copa do Brasil pelo mesmo rival, dias antes. Além disso, garantiu o elenco focado na sequência da Série A, independentemente do clima externo.

"Não me surpreendeu. Joguei no maior clube da Colômbia, o Atlético Nacional. A torcida é exigente, protesta, reclama e está no seu direito. Não fomos eliminados porque queríamos, são coisas do jogo, mas já passou. A vitória foi importante para seguirmos na única competição que temos no ano e é nisso que estamos concentrados a partir de agora", disse.

A expectativa é para que o clima seja mais leve e que as arquibancadas da Vila Belmiro estejam mais cheias na quarta-feira, no clássico contra o Corinthians, após o estádio receber menos de 6 mil pessoas no domingo. Aguilar destacou a importância de o Santos contar com o estádio cheio, mas prometeu que haverá empenho sob qualquer cenário.

"Se os torcedores nos acompanharem, é importante ter apoio, a Vila cheia. Mas se a decisão deles é seguir protestando no estádio, nada muda para nós. Com muita ou pouca torcida, temos obrigação de competir e ganhar", comentou.

O triunfo sobre o Atlético-MG colocou o Santos na vice-liderança do Brasileirão, com 17 pontos, a dois do Palmeiras, que não teve os pontos de triunfo sobre o Botafogo contabilizados. Após o técnico Jorge Sampaoli declarar que não acredita na conquista do título nacional, Aguilar admitiu quer será mesmo difícil, mas evitou "jogar a toalha" com apenas oito rodadas disputadas.

"Vai ser possível na medida que a equipe se mantenha na ponta da tabela. É um torneio muito competitivo, com sete ou oito equipes que são referências no mundo. Temos de ser constantes durante todo o torneio para sonhar com esse título. Mas que é difícil, é", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Raí valoriza montagem do elenco do São Paulo para o Brasileirão
  • Em crise, Figueirense se movimenta para evitar novo W.O.
  • Corinthians, Palmeiras e São Paulo tem as melhores defesas do Campeonato Brasileiro
  • Podcast: personalidades do esporte analisam a situação do futebol no Brasil
  • Bruno Henrique vibra com gols no Maracanã: 'Semana mais feliz da minha vida'

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.