Gabrielo Biló/Estadão
Gabrielo Biló/Estadão

Aguirre celebra atuação do São Paulo, mas contém empolgação por invencibilidade

Treinador tricolor vê vitória sobre o Santos como um possível 'ponto de partida' para a equipe crescer no Brasileirão

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2018 | 18h49

O técnico Diego Aguirre, do São Paulo, se mostrou bastante satisfeito com a vitória do time por 1 a 0 sobre o Santos, neste domingo, no Morumbi. Após o jogo, ele disse esperar que o time tenha mais atuações parecidas com a que deram a vitória no clássico.

+ São Paulo domina clássico e bate o Santos com gol de Diego Souza

+ TEMPO REAL - Confira os lances da partida

+ Vitória em 'jogo-chave' após empates aumenta confiança no São Paulo, avalia Sidão

"Ainda falta muito para termos o que considero um time ideal", ponderou o treinador. "Mas hoje foi perto do que procuramos. A parte da atitude, da vontade, da ordem tática. É assim que os jogadores vão aparecer em seu melhor nível."

Aguirre apontou o que considera ser algumas carências do time. "Uma das coisas que temos que melhorar são as finalizações. Temos que transformar nossas jogadas em gols. E vamos seguir trabalhando para melhorar sempre."

O técnico minimizou a sequência de nove jogos em que o São Paulo se mantém invicto. É o único time do Brasileirão nesta condição, com quatro empates e duas vitórias.

"Nossa última vitória foi sobre o Rosario Central (Sul-Americana), mas eu não estava feliz. Neste domingo, foi uma vitória merecida. É uma vitória que pode ser um ponto de partida. Me sentia mal quando falavam da invencibilidade, porque eu não estava contente. Sentia que não era nada, só um dado. Eu trocaria a invencibilidade por ter mais pontos. Hoje conseguimos os pontos e estamos mais próximos das primeiras posições."

O treinador ainda se "defendeu" das críticas de que estaria mudando a escalação do São Paulo com muita frequência - o que poderia afetar o entrosamento da equipe. "Não é que troco de time a toda hora. Tem atleta que jogou todas partidas. Eu troco alguns. Os que me dão certeza estão sempre em campo. Mas (os jogadores) têm de conquistar seus espaços nos treinos. É quando eu os vejo, no dia a dia. O rendimento em campo é o que define a continuidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.