Rubens Chiri/saopaulofc.net
Rubens Chiri/saopaulofc.net

Aguirre elogia invencibilidade, mas revela incômodo com falta de vitórias do São Paulo

Equipe tricolor não sabe o que é perder há oito jogos, no entanto soma apenas dois triunfos

O Estado de S.Paulo

14 Maio 2018 | 07h00

O empate em 2 a 2 com o Bahia na Arena Fonte Nova neste domingo rendeu ao São Paulo o status de única equipe invicta no Campeonato Brasileiro até o momento. Contudo, a sequência sem perder não significa que a equipe esteja vencendo seus compromissos, o que está incomodando o técnico Diego Aguirre, que mostra aborrecimento com alguns erros do time.

+ Confira a tabela de classificação do Campeonato Brasileiro

+ Herói em Salvador, Shaylon teve permanência defendida por Diego Aguirre no São Paulo

+ São Paulo arranca empate do Bahia no fim e continua invicto no Brasileirão

O clube do Morumbi não sabe o que é perder há oito jogos. No entanto, são apenas duas vitórias conquistadas neste período. No Campeonato Brasileiro, foram cinco compromissos, com apenas um triunfo. "É estanho. Por um lado, temos que valorizar que não perdemos. Pelo outro, também não estou contente porque não perdemos, mas também não ganhamos", explicou Aguirre. "É uma situação que teremos que seguir trabalhando e tentar ganhar o próximo jogo", completou.

"Campeonato Brasileiro deve ser o campeonato mais difícil do mundo, porque tem 20 times e todos jogam bem, todos lutam, são muito fortes. Hoje estamos numa posição que parece longe, mas estamos somente a três pontos do líder", disse o técnico tricolor. Com o empate em 2 a 2 com o Bahia, o São Paulo se manteve na 10ª colocação da tabela com sete pontos. O próximo compromisso da equipe é contra o Santos, no estádio do Morumbi.

Aguirre elogiou a atuação da equipe baiana, mas atribuiu os gols sofridos pelo São Paulo aos erros defensivos. "Foi um jogo muito difícil. Nós tivemos momentos bons, mas cometemos alguns erros, tomamos os dois gols, e assim como me lembro no jogo com o Fluminense, quando estava praticamente ganho, tomamos um gol no último minuto", lembrou o técnico. "Foram mais erros nosso do que virtude do rival. O rival jogou bem e talvez merecia outra situação, mas os gols foram mais por erros nossos. São coisas que temos que melhorar", disse o comandante.

"Eu valorizo o espírito do time, que nunca deixou de lutar e fomos tentar reverter a situação. Foi um empate valioso. Não gosto de comemorar empates, mas quando acontecem no último minuto tem que ver como positivo", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.