WILTON JUNIOR / ESTADÃO
WILTON JUNIOR / ESTADÃO

Aguirre elogia trio ofensivo, mas indica mudanças no São Paulo

Após utilizar Everton, Diego Souza e Nenê juntos pela primeira vez, treinador admite dificuldades em encaixar a equipe

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

30 de abril de 2018 | 07h00

O técnico Diego Aguirre teve a oportunidade de, no empate em 1 a 1 com o Fluminense, no domingo, unir pela primeira vez Everton, Diego Souza e Nenê no time do São Paulo. Mas apesar de ter elogiado o desempenho do trio ofensivo, deixou no ar a dúvida se vai repetir a dose e escalá-lo novamente no sábado que vem, contra o Atlético-MG, no Morumbi, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro.

+ 'Aprendi que, no Brasileiro, não é ruim empatar fora de casa', diz Aguirre

+ Veja mais notícias do São Paulo

+ Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

Questionado ainda no Maracanã sobre o que tinha achado dos três juntos, o uruguaio foi econômico na empolgação.

“(Foram) Bem. Essa é outra coisa que teremos de pensar porque são três jogadores que pela primeira vez jogaram juntos e não é facil arrumar o time tão rapidamente. São jogadores que, com uma sequência, terão mais conexão. Mas eles trabalharam bastante", respondeu o comandante são-paulino.

Em outro momento da entrevista coletiva, indagado sobre as cinco modificações feitas em relação à equipe que empatara sem gols com o Ceará na rodada anterior, o técnico disse:

"São opções. Na semana passada, mudamos porque tínhamos jogado uma série de jogos seguidos. O Everton está chegando, decidimos dar chance ao Diego Souza também, temos muitos jogadores. É normal continuar buscando alternativas e encontrando o time", complementou.

Everton e Diego Souza são as contratações mais caras do São Paulo na temporada. O primeiro custou R$ 15 milhões e já foi chamado de "fenômeno" por Aguirre. O segundo, no clube desde o início do ano, acabou adquirido por R$ 10 milhões, mas quase virou reforço do Vasco na semana passada, já que, em muitas ocasiões, vinha sendo preterido pelo treinador.

De volta à equipe titular, o camisa 9 foi substituído por Tréllez no segundo tempo do duelo com o Fluminense, quando já estava bastante desgastado. Além da participação no lance do gol de Militão, quando viu o goleiro Júlio César e o travessão evitarem que balançasse as redes do adversário, não levou tanto perigo ao rival. E também se mostrou contido ao falar do seu retorno.

"Foi tranquilo, tenho confiança nos companheiros, no treinador, a gente adaptou algumas situações, mas está tudo dentro dos conformes. Daqui para frente é todo mundo junto em busca dos bons resultados. Me senti bem e procurei ajudar da melhor maneira possível", comentou o meia-atacante.

Tréllez, com quem o jogador disputa diretamente um lugar na equipe, comemorou a presença do camisa 9 no grupo.

"É muito bom para nós um jogador como o Diego, dentro e fora de campo. Fico contente por ele ter voltado. Precisamos de todos juntos agora. A gente é muito parceiro, se dá bem dentro e fora de campo. Antes do jogo, desejei o melhor para ele, queria que tivesse feito o gol", disse o atacante colombiano.

Programação

O São Paulo volta aos treinos nesta segunda-feira, às 10h30, em trabalho que será fechado à imprensa. Na terça, no feriado do Dia do Trabalho, o elenco ganhará folga. Na quarta, a atividade está marcada para as 16h, no CT da Barra Funda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.