Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Acuado, Aidar vai renunciar ao cargo de presidente no São Paulo

Dirigente vai comunicar decisão oficialmente na próxima terça-feira

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

11 de outubro de 2015 | 11h42

O presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, vai na terça-feira se reunir com ex-membros da diretoria e comunicar que renuncia ao cargo. Acuado pela crise política e isolado pela saída de antigos aliados, o dirigente tomou a decisão durante o fim de semana e sai para evitar um processo de impeachment, que já tem sido articulado por opositores. A informação foi publicada pelo portal UOL e confirmada pelo Estado.

Aidar convocou um encontrou com antigos colegas de gestão na próxima terça-feira para oficializar a saída do cargo e entregar ao Conselho Deliberativo a carta de renúncia. O presidente do órgão, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, vai passar a assumir a presidência do clube por 30 dias e ao fim do prazo, terá de convocar novas eleições. O mandato do sucessor de Aidar vai até abril de 2017.

Os acontecimentos da última semana minaram a força política de Aidar e o isolaram no cargo. No sábado, o presidente recebeu o comunicado de que o grupo político liderado pelo seu antigo vice, Júlio Casares, havia retirado o apoio e passava a integrar a oposição. Na sexta, o presidente se reuniu com as suas filhas e repensou a decisão de continuar no comando diante de tantos conflitos.

A crise política no clube se acelerou na última semana com o rompimento entre o presidente e Ataíde Gil Guerreiro, ex-vice de futebol. Os dois brigaram na segunda-feira e na sequência, Guerreiro foi exonerado. A saída do dirigente responsável por cuidar do departamento de futebol motivou um princípio de demissão coletiva na diretoria e Aidar resolveu, então, solicitar a todos que entregassem seus cargos.

Na quinta-feira Aidar convocou uma reunião com ex-presidentes do clube para conversar sobre as mudanças na gestão e pedir para que acompanhassem o trabalho de reestruturação de diretoria. Embora ainda estivesse confiante, o dirigente viu o e-mail do ex-aliado Ataíde Gil Guerreiro ser publicado na imprensa com acusações graves à gestão, como denúncias de irregularidades e desvio de dinheiro em transferências. No texto, Ataíde comenta que gravou uma conversa entre os dois para provar.

O dossiê preparado por Ataíde motivou a convocação de uma reunião extraordinária do Conselho Deliberativo. No próximo dia 22, os membros devem ir ao Morumbi para ouvir a gravação da conversa e escutar o depoimento do ex-vice de futebol. A oposição também pretendia articular um impeachment, com a entrada de um ofício contra o presidente do São Paulo.

Aidar assumiu o cargo em abril de 2014, como sucessor de Juvenal Juvêncio. Foi a segunda passagem do dirigente pelo clube. A primeira foi entre 1984 e 1988, quando o São Paulo conquistou como principal título o Campeonato Brasileiro de 1986.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.