Aílton: o novo orgulho de Paulista

Em 1994, o garoto Aílton, então com nove anos, mudou-se de Recife para Paulista, cidade de 260 mil habitantes a 25 quilômetros da capital pernambucana Só ouvia falar de Rivaldo, o filho da terra que estava vencendo em São Paulo. E o garoto prometeu que um dia seria festejado em Paulista como Rivaldo estava sendo.Há dois meses, o jogador Aílton foi emprestado pelo São Paulo ao Paulista até o final do Paulistão. Não comprovara tudo o que se falava dele em Recife, onde defendia o Náutico. O clube queria que ele ganhasse experiência, atuando constantemente. Aílton foi, mas prometeu a si mesmo e ao supervisor Marco Aurélio Cunha que voltaria.Há duas semanas, quando deu um chapéu no lateral André Cunha e marcou o gol que garantiu a classificação para as semifinais do Campeonato Paulista, Aílton cumpriu uma promessa e deu andamento à outra. O técnico Cuca, impressionado com a "verticalidade" de seu futebol, pediu sua integração ao time para a segunda fase da Libertadores e para o Brasileiro.E a família toda ligou para Aílton, dizendo que Paulista estava em festa por causa de seus gols. "Fiquei muito feliz com isso tudo. Estou vivendo uma fase de muita felicidade", diz o jogador que completa 20 anos em 13 de outubro.Agora, com o Paulista garantido na final contra o São Caetano, ele sonha com o título. "Está tudo aberto e nós temos condições de vencer. Nosso time é bom."Ele promete mostrar o mesmo futebol agressivo nos jogos finais. O passe de calcanhar que deu para Canindé no jogo contra o Palmeiras, domingo, é um exemplo. "Era a única jogada que podia fazer e ousei. Não tenho medo de errar, vou tentar sempre fazer o melhor, seja do jeito que for."Aílton foi descoberto por Mílton Cruz. "Fui ver um lateral do Náutico chamado Wellington e gostei muito do Aílton. "Tem muita facilidade para driblar e sabe dar o ritmo necessário ao time", diz.Em 6 de outubro de 2002, uma semana antes dos 18 anos, chegou ao São Paulo. Daqui a 15 dias, voltará. "Quero voltar como campeão. Agora, só penso no Paulista." No time e no campeonato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.