Tatyana Makeyeva / Reuters
Tatyana Makeyeva / Reuters

Akinfeev pede que Rússia esqueça vitória sobre a Espanha e pense só nas quartas

Goleiro admite que não treinou pênaltis antes das oitavas de final e relembra descrédito da equipe antes da Copa

Estadão Conteúdo

03 Julho 2018 | 10h22

Herói da classificação da Rússia às quartas de final da Copa do Mundo, após empate por 1 a 1 com a Espanha e vitória por 4 a 3 nos pênaltis, Igor Akinfeev só pensa na próxima fase do Mundial. Para o goleiro, que pegou duas cobranças no jogo disputado no estádio Luzhniki, em Moscou, a partida do último domingo é passado.

+ Rússia poupa Samedov de treino e confirma lesão de Zhirkov, dúvida para sábado

+ Kremlin compara festa por classificação russa na Copa ao fim da 2ª Guerra Mundial

+ Na Crimeia, Vladimir Putin já é o vencedor da Copa do Mundo

"Vamos colocar isso de lado, por favor, e nos concentrar no futuro", afirmou Akinfeev em coletiva de imprensa concedida nesta terça-feira, em Novogorsk. "Nosso time criou um 'feriado' na Rússia depois de vencer a Espanha. Mas já passou, queremos criar uma nova história agora. Vamos tentar e lutar", disse o goleiro, que agora vai defender a seleção dele contra a Croácia, às 15 horas (de Brasília) deste sábado, em Sochi.

Akinfeev lembrou do descrédito com o qual a Rússia era tratada antes do Mundial. "Esse torneio mostra que estávamos certos do que fazíamos e por isso estamos nos saindo muito bem. Não é segredo que vencer traz confiança, especialmente se for contra a Espanha", disse o titular da seleção que ficou sete jogos sem vencer antes da Copa.

"Muita gente, talvez, duvidou da gente contra a Espanha. Mas espero que tenhamos provado que podem acreditar na gente, então vamos fazer todo o possível para ir além. Criamos um pequeno milagre no nosso país", afirmou Akinfeev, pegador dos pênaltis cobrados por Koke e Iago Aspas na disputa contra a Espanha.

 

"Definitivamente, nós não treinamos pênaltis antes do jogo. Foi uma partida longa e vivemos muitas emoções em 120 minutos", relatou o experiente goleiro de 32 anos, que defende a Rússia desde 2004.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.