Divulgação/Al Duhail
Divulgação/Al Duhail

Al Duhail se despede de Dudu; entenda o que falta para atacante poder se reapresentar no Palmeiras

Jogador não poderá treinar no clube alviverde antes de 1º de julho sem liberação do time catari

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2021 | 12h04

O Al Duhail, equipe do Catar, se despediu do atacante brasileiro Dudu, que jogou pelo clube asiático emprestado pelo Palmeiras. Contudo, ele ainda não pode se reapresentar ao clube brasileiro oficialmente, apesar da ansiedade da torcida e diretoria pela volta do jogador o mais rápido possível.

A nota oficial do Al Duhail, a princípio, não muda a situação contratual de Dudu, mas pode significar uma boa vontade para que o clube catari o libere com antecedência. A diretoria do Palmeiras deve tratar com o atleta e com o clube árabe por uma autorização para que ele se reapresente e treine com o time alviverde ainda neste mês.

O contrato de Dudu com o Al Duhail vai até 30 de junho, portanto, ele não pode treinar pelo Palmeiras antes dessa data. Para isso, é necessário que o vínculo seja rescindido e que haja uma notificação ao time brasileiro, ou que o clube catari dê uma autorização formal. Ainda há uma série de questões legais sobre essa mudança, entre elas o fato de o jogador estar em férias, a necessidade de um acordo de valores entre Dudu e o Al Duhail, entre outros.

Mesmo que Dudu possa se reapresentar e treinar no Palmeiras antes de 1º de julho, não poderá entrar em campo antes de 1º de agosto, quando abre a janela de transferências internacional e o jogador voltará a ser do Palmeiras oficialmente.

Dudu foi emprestado ao Al Duhail em 2020 com opção de compra do time árabe válida até 15 de maio de 2021. Como o clube catari escolheu não exercer essa opção, Dudu volta ao Palmeiras, onde deve ser o principal reforço para o time de Abel Ferreira nesta temporada.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolDuduPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.