Al Ittihad vence e encara o São Paulo

O Al Ittihad (Arábia Saudita) derrotou o Al Ahly (Egito) por 1 a 0, neste domingo, no estádio Nacional de Tóquio, no Japão, e conseguiu a classificação para pegar o São Paulo, na quarta-feira, também na capital japonesa, numa das semifinais do II Mundial de Clubes da Fifa. O gol que garantiu a vaga do time árabe foi marcado por Noor, aos 32 minutos do segundo tempo, depois de um cruzamento pelo lado direito. Com a vitória sobre o Al Ahly, o Al Ittihad mantém a ótima campanha desta temporada, em que conquistou o título da Copa dos Campeões da Ásia, e conseguiu superar a ausência de três brasileiros contratados para este Mundial - Pedrinho (ex-Palmeiras), Marcão e Lima (ambos ex-Atlético-PR) -, que não puderam jogar por inscrição irregular. A derrota no Japão foi mais que catastrófica para o Al Ahly. A equipe egípcia, considerada a melhor da África no século passado, teve uma série de 55 jogos invictos encerrada. O São Paulo não deverá ter dificuldades contra o Al Ittihad, na quarta, para chegar na final do Mundial de Clubes da Fifa com alguma força. O time árabe não é bom e mostrou isso. O principal jogador do Al Ittihad é Mohammed Kallon, de Serra Leoa - com passagem pela Inter de Milão. Ele é rápido e forte. Recebe bons lançamentos, geralmente de Saud Khariri, o número 14, e se entende bem com Noor, que joga como volante, mas tem ótima projeção no ataque. O Al Ittihad não tem bom passe e fica pouco tempo com a bola. Na partida deste domingo, teve a posse de bola por apenas 43% do tempo. O Al Ahly dominou nesse quesito, mas teve pouca projeção no ataque. Foram nove chutes a gol do vencedor contra apenas três do perdedor. O esquema de jogo do Al Ittihad é algo parecido com o 3-6-1. O zagueiro Al Montashari é o destaque da defesa. Quando o time é atacado, o meia Abushgeer recua, como se fosse lateral-esquerdo. Pela direita, é Noor quem ajuda a fazer a linha de quatro zagueiros. Noor é também jogador de qualidade. Marca forte e sai bem para o jogo. Tem o estilo de Josué, com menos habilidade e mais força. Foi assim que fez o gol, aproveitando-se da falha grotesca do goleiro El Hadary, que falhou no cruzamento que veio da direita. Era com a chegada no ataque de Noor e de Khariri que a bola chegava a Kallon. O brasileiro Tcheco também tentou, mas não jogou bem. Se há algo a preocupar no Al Ittihad, isso é a pontaria do time. Dos dez chutes dados, nove foram ao gol adversário. O Al Ahly chutou sete vezes e só acertou três. Nada disso deve preocupar o São Paulo. Caso perca, aí sim, tudo será motivo de preocupação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.