Alan Kardec faz golaço e Palmeiras vence São Caetano

Time de Gilson Kleina sofreu no primeiro tempo marcado por falhas na marcação

DEMÉTRIO VECCHIOLI, Agência Estado

06 Agosto 2013 | 21h25

SÃO CAETANO - Sem Valdivia, o Palmeiras não fez uma grande apresentação contra o São Caetano, nesta terça-feira à noite, no ABC Paulista. Mas 15 minutos de marcação sobre pressão no ataque, no começo do segundo tempo, deram à equipe alviverde mais uma vitória na Série B, esta por 2 a 1, de virada, em jogo válido pela 13ª rodada. Alan Kardec marcou um golaço, passando por cinco adversários, e foi o destaque do jogo. Henrique também balançou as redes.

Com o resultado, o Palmeiras chegou a oito jogos de invencibilidade na Série B, acumulando uma série de sete vitórias e um empate. Não à toa lidera a competição com 31 pontos, dois a mais que a Chapecoense, que também venceu na rodada e foi a 29. No sábado, tentará manter a posição recebendo o Paraná no Pacaembu.

Já o São Caetano, que saiu na frente nesta terça-feira com Geovane, no primeiro tempo, e levou a virada na segunda etapa, perdeu quatro dos últimos cinco jogos. Com 13 pontos, continua na zona rebaixamento. Sábado, também às 16h20, recebe o Sport.

O JOGO

Com a torcida alviverde sendo maioria no Anacleto Campanella, o técnico Gilson Kleina aproveitou que jogava em "casa" para colocar a equipe no ataque. Poupando Valdivia, escalou o time no 4-3-3, com o atacante Ananias ocupando a vaga que era do volante Charles.

No ataque, quando tinha a posse de bola no primeiro tempo, o Palmeiras não fazia feio e trocava passes envolventes. Faltava, porém, o talento decisivo de Valdivia e também uma melhor proteção à zaga, fatores que permitiram que o São Caetano, de pouco brilho, fosse melhor na primeira etapa.

O gol do time do ABC saiu aos 22 minutos. Vilson saiu jogando errado e furou a bola, que ficou com Geovane. O atacante aproveitou, tabelou com Giancarlo, apareceu na cara de Fernando Prass e finalizou para o fundo do gol.

O placar ainda poderia ter sido mais elástico se não fosse o trabalho de Fernando Prass, que pegou no contrapé um bom chute de Giancarlo e se contorceu todo para mandar para escanteio forte batida de falta de Wagner Carioca. O Palmeiras praticamente só respondeu de longe e não deu trabalho ao goleiro Rafael Santos. Mendieta, Wesley e Ananias mandaram para fora as chances que criaram.

No segundo tempo o técnico Gilson Kleina resolveu aproveitar o grande número de jogadores ofensivos para marcar a saída de bola do São Caetano. Por 15 minutos os donos da casa não conseguiram jogar e levaram a virada.

O empate veio aos 10, num gol histórico de Alan Kardec. O centroavante ganhou disputa de bola no meio campo, driblou o primeiro marcador, passou no meio de dois adversários, fintou mais um rival, depois outro, e bateu na saída de Rafael Santos.

Aos 14, Henrique, que havia perdido, de cabeça, livre, a chance de deixar tudo igual, se redimiu. O zagueiro aproveitou falha da zaga azul, bateu forte, de primeira, e estufou as redes do São Caetano. Leandro ainda marcaria mais uma vez, mas o que seria o terceiro gol acabou anulado por impedimento.

Quando o São Caetano se lançou ao ataque para buscar o empate, o Palmeiras se fechou com a entrada de Marcelo Oliveira na vaga de Ananias. No contra-ataque, a equipe alviverde ainda criou duas boas chances, com Wesley e Vilson, mas os chutes foram para fora.

FICHA TÉCNICA:

SÃO CAETANO 1 X 2 PALMEIRAS

SÃO CAETANO - Rafael Santos; Samuel Santos, Douglas Grolli, Fred e Diogo; Moradei (Éder), Pirão (Jael), Wagner e Daniel Bueno; Giancarlo e Geovane (Siloé). Técnico - Marcelo Veiga.

PALMEIRAS - Fernando Prass, Luis Felipe, Vilson, Henrique e Juninho; Márcio Araújo, Wesley e Mendieta (Felipe Menezes); Ananias (Marcelo Oliveira), Leandro (André Luiz) e Alan Kardec. Técnico - Gilson Kleina.

GOLS - Geovane, aos 22 minutos do primeiro tempo. Alan Kardec, aos 10, e Henrique, aos 14 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Flávio Rodrigues Guerra (SP).

CARTÃO AMARELO - Pirão.

RENDA - R$ 168.920,00.

PÚBLICO - 3.960 pessoas.

LOCAL - Estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.