Alan Kardec faz plano para furar defesa corintiana

Para chegar à segunda final seguida de Libertadores, o Santos não tem outra solução: vai ter que furar a retranca corintiana e marcar pelo menos um gol no Pacaembu, quarta-feira que vem, na segunda partida da semifinal. Diante desta obrigação, aumenta a responsabilidade de Alan Kardec, o centroavante do time.

SANCHES FILHO, Agência Estado

14 de junho de 2012 | 20h48

O jogador recomenda muita movimentação e pede o auxílio dos companheiros de meio-campo para conseguir balançar as redes do goleiro Cássio. "A maneira de passar pela retranca do Corinthians é se movimentar bastante, porque aí você acaba achando os espaços livres. Pra isso, os volantes têm que ir ao ataque, os meias têm que se aproximar e, às vezes, até os centroavantes têm que recuar pra buscar a bola e fazer uma tabela. Tudo isso é movimentação", disse Kardec, nesta quinta-feira.

De acordo com o atacante, a derrota por 1 a 0 no primeiro jogo, em plena Vila Belmiro, não abala a moral do grupo. "A confiança continua a mesma", garante Kardec. "Não tem tanto mistério, nosso time continua confiante. O clima entre os jogadores está normal. Claro que não teve clima festivo. Mas, nesse momento, não adianta desesperar."

Kardec afirmou que o grupo já esperava dificuldades contra o Corinthians e recomenda toque de bola para reverter o resultado no Pacaembu. "Nós enfrentamos um adversário bem postado. Tivemos dificuldade para entrar na defesa deles. Contra o Vélez, na Vila Belmiro (pelas quartas de final), tocamos a bola com inteligência até marcarmos o gol. Sabíamos que não podíamos sofrer gols, como será no Pacaembu. Se abrirmos o placar lá, já está tudo empatado. Temos que jogar com calma, sem desespero, para não sermos surpreendidos."

O atual titular do ataque santista disse estar feliz com a sequência dos jogos, mas não se abala com um possível retorno de Borges. "O importante é que o Borges está voltando e isso fortalece o grupo."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantos FCCopa Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.