Divulgação
Divulgação

Alan Patrick admite falta de tranquilidade no Flamengo, mas aposta em reação

Meia reconhece que equipe está abalada com falta de resultados

Estadão Conteúdo

24 de maio de 2016 | 20h15

Pressionado e vindo de mais uma derrota após cair diante do Grêmio no último domingo, o Flamengo precisa vencer a Chapecoense nesta quarta-feira, em Volta Redonda, para não se afundar de vez na crise. Os péssimos resultados e as más atuações têm gerado uma intensa pressão da torcida, e os próprios jogadores já estão reconhecendo a falta de tranquilidade em campo.

"Creio que está faltando um pouco de tranquilidade, sim. Principalmente quando temos as oportunidades de fazer os gols. Precisamos ter frieza para poder concluir da melhor maneira, ainda mais estando nessa situação, precisando de resultados. É necessário ter tranquilidade para quando tivermos as oportunidades podermos marcar", declarou o meia Alan Patrick nesta terça-feira.

As quedas na Copa Sul-Minas-Rio, no Campeonato Carioca e, principalmente, na Copa do Brasil, diante do Fortaleza, deixaram o clima no Flamengo péssimo. As decepções ao longo da temporada incomodam também os jogadores, que precisam de um bom resultado para se reerguerem. Por isso, uma vitória nesta quarta-feira se faz tão importante.

"Viemos de uma sequência negativa e todo mundo está incomodado com isso. Jogaremos em casa, diante um adversário que vem de vitória. Sabemos que será uma partida difícil, mas temos totais condições de fazer um bom jogo. Se entrarmos determinados, podemos conseguir um bom resultado", disse Alan Patrick.

Perguntado sobre os motivos da fase flamenguista, o meia preferiu não usar os fatores extracampo, como os problemas de saúde de Muricy Ramalho e as cobranças da torcida, como justificativa. "Quando a bola rola, você dificilmente pensa no extracampo. Sabemos do momento, temos consciência do que está acontecendo. Como eu falei, todos estamos incomodados com essa situação, mas cabe a nós dar a volta por cima. Temos que unir nossas forças para tentar reverter esse quadro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.