Martin Divisek/EFE
Martin Divisek/EFE

Albânia exalta homenagem dos jogadores suíços na comemoração contra Sérvia

Granit Xhaka e Xherdan Shaqiri marcaram os gols da virada por 2 a 1 e comemoraram com gesto em alusão à bandeira albanesa

Estadão Conteúdo

23 Junho 2018 | 06h26

Xhaka e Shaqiri marcaram os gols da Suíça na vitória por 2 a 1 sobre a Sérvia e na comemoração ambos fizeram com as mãos o símbolo de uma águia em alusão à bandeira da Albânia. Os albaneses comemoraram como se o triunfo fosse do próprio país.

+ Suíça vira sobre a Sérvia e deixa o Brasil na liderança do grupo

+ Suíços provocam a Sérvia em comemorações de gols

+ Treinador comemora virada da Suíça: 'Foi uma montanha-russa'

"Todos ficaram encantados como uma vitória da Albânia ou do Kosovo, já que depois de tudo vimos as águias voando no Estádio de Kaliningrado", disse o presidente da Albânia, Ilir Meta, ao site "Balkanweb".

Xhaka nasceu na Basileia, mas seus pais são de Kosovo. Seu pai foi preso político da ex-Iugoslávia por três anos e meio. Em 1986, ele participou de manifestações contra o governo comunista de Belgrado, hoje capital da Sérvia. O irmão de Xhaka também é jogador de futebol e defende a seleção da Albânia.

Shaqiri é de Kosovo. A Suíça ainda conta com um terceiro kosovar, o volante Behrami, que anulou Neymar no empate por 1 a 1 com a seleção brasileira. O meio-campista Blerim Dzemail completa o quarteto "estrangeiro", pois é da Macedônia.

 

A maioria do povo kosovar e macedônico é de origem albanesa. A região de Kosovo fica dentro do território da Sérvia e declarou independência em 17 de fevereiro de 2008. Os sérvios não reconhecem a independência e consideram Kosovo como parte do país.

O presidente da Albânia, no entanto, também contemporizou as comemorações para evitar mais uma crise política."Nossa alegria não é apenas ganhar da Sérvia. Eu senti a mesma alegria quando a Suíça empatou com o Brasil. Também não me senti mal quando a Sérvia venceu a Costa Rica. Mas esta é uma grande vitória não só da Suíça, mas também de duas águias (o símbolo da bandeira da Albânia). O fato de jogar pela Suíça não os impede de mostrar que eles são albaneses", afirmou.

Para torcer para a Suíça, um telão foi colocado em uma praça no centro de Tirana, capital da Albânia, onde cerca de três mil pessoas compareceram para assistir ao jogo. E todos foram ao delírio com a virada suíça, em especial no momento das comemorações dos gols.

Os jornais albaneses manifestaram esse sentimento do torcedor em suas manchetes. "Os albaneses enlouquecem os sérvios. Vitória extraordinária da Suíça. Xhaka e Shaqiri exaltam também a Albânia", estampou o diário esportivo "Panorama Sport". A imagem para destacar o triunfo, como não poderia deixar de ser, era dos jogadores suíços fazendo o gesto da águia, mais ou menos como os brasileiros fazem a pomba da paz.

"Essa partida e as emoções que causaram vão ser recordadas por muito tempo entre os albaneses de todo o mundo. O gol de Shaqiri acabou com as esperanças dos sérvios, que agora tem uma missão impossível: ganhar do Brasil, cinco vezes campeão do mundo", complementou o site "Balkanweb".

Após duas rodadas disputadas no Grupo E, o Brasil ocupa a liderança, mas tem os mesmos quatro pontos da Suíça, a segunda colocada (o time de Tite tem melhor saldo de gols: 2 a 1). A Sérvia está em terceiro, com três, e a Costa Rica ainda não pontuou.

Na terceira e última rodada, na quarta-feira, às 15h (de Brasília), o Brasil enfrenta a Sérvia e a Suíça encara a Costa Rica.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.