Alckmin e Mercadante pedem santistas na seleção

Os pré-candidatos de PSDB e PT ao governo de São Paulo, respectivamente Geraldo Alckmin e Aloizio Mercadante, prometem uma acirrada disputa pelos votos dos paulistas. Uma campanha, porém, os une: a pressão para que o atacante Neymar e o meia Paulo Henrique Lima, do Santos, estejam na Copa do Mundo da África do Sul.

TIAGO DÉCIMO, Agência Estado

23 de abril de 2010 | 15h53

Santistas, os pré-candidatos tentaram pressionar o ministro do Esporte, Orlando Silva, a participar da mobilização durante o Fórum Empresarial de Comandatuba, no litoral sul da Bahia. "Por favor, ministro, entre na campanha", pediu Mercadante.

"O ataque (do Santos) me faz lembrar meu tempo de juventude, quando a linha era Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe. A dupla [Neymar e Paulo Henrique] seria muito importante para a seleção", disse Alckmin.

O ministro tentou desconversar, mas admitiu a possibilidade. "Sou da turma do Dunga", afirmou. "Agora, tem sempre aquela questão: um jogador pode não estar bem tecnicamente e isso pode abrir uma porta para entrar Neymar, Ganso e outros jogadores", comentou.

Mercadante ainda convidou Alckmin para irem juntos ao estádio assistir a uma partida do Santos - depois da campanha. O tucano sorriu, mas não respondeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.