Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Aldo Rebelo cobra punição para atos racistas contra Arouca e Márcio Chagas

Ministro do Esporte critica discriminação e exige atitude severa das autoridades paulista e gaúcha

Agência Estado

07 de março de 2014 | 16h00

BRASÍLIA - O ministro do Esporte Aldo Rebelo veio a público nesta sexta-feira para criticar novamente manifestações racistas no futebol e pedir punição às autoridades de São Paulo e do Rio Grande do Sul, onde foram constatados os novos casos de discriminação na quarta e na quinta-feira desta semana. "A agressão racista não atinge apenas aquele a quem é dirigida. Fere toda a população brasileira e sua identidade de povo miscigenado", afirmou o ministro, em nota oficial, ao repetir as críticas que fez quando o volante Tinga, do Cruzeiro, recebeu ofensas raciais na Libertadores, no Peru.

Desta vez, as vítimas foram o também volante Arouca, do Santos, e o árbitro Márcio Chagas da Silva. O primeiro foi xingado de "macaco" por alguns torcedores do Mogi Mirim ao fim da goleada do Santos por 5 a 2, fora de casa, na noite de quinta, em rodada do Paulistão. O juiz gaúcho recebeu as mesmas ofensas enquanto apitava o jogo entre Esportivo e Veranópolis, em Bento Gonçalves. Depois, teve o carro depredado por torcedores, que deixaram bananas em cima do veículo e dentro do escapamento.

Nesta sexta, Aldo Rebelo disse que entrou em contato com o secretário de Segurança do Rio Grande do Sul, Airton Michels, para cobrar punições aos torcedores envolvidos no caso de racismo. "O secretário me informou que a Polícia Civil gaúcha já adotou providências para identificar os agressores do árbitro", informou o ministro.

Em seguida, Aldo Rebelo pediu punição aos torcedores do Mogi Mirim em conversa com o promotor paulista Paulo Castilho, ex-diretor de Defesa dos Direitos do Torcedor do Ministério do Esporte. "A Justiça deve punir exemplarmente esse comportamento inaceitável. Não são torcedores, são criminosos", criticou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.