Divulgação
Divulgação

Aldo Rebelo e TJ-SP cobram ação dos clubes no Juizado do Torcedor

Para Ministro do Esporte e Tribunal de Justiça, é preciso atuar com rigor para afastar infratores e atrair torcedores aos estádios

O Estado de S. Paulo

14 de outubro de 2014 | 16h26

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), o desembargador José Renato Nalini, estiveram reunidos nesta terça-feira para cobrar de clubes e federações maior apoio à melhoria da infraestrutura do Juizado do Torcedor, órgão que busca afastar dos estádios os responsáveis por vandalismo e agressões.

Criado em 2011, o Juizado do Torcedor é uma parceria entre os ministérios do Esporte, da Justiça e o TJ-SP e tem como objetivo garantir, na prática, o cumprimento do Estatuto de Defesa do Torcedor, e, assim, melhorar a qualidade de uma partida de futebol nos mais diversos aspectos, como venda de ingressos, segurança, transporte, higiene, qualidade das instalações físicas e alimentícias dos locais onde são realizados os eventos esportivos. 

Na opinião do ministro do Esporte, é preciso diminuir os obstáculos para aqueles que querem acompanhar seu time. "Precisamos criar condições para o funcionamento do Juizado do Torcedor. Os clubes e as Federações têm departicipar desses esforços oferecendo espaço e equipamento para que a Justiça faça a sua parte", disse Aldo.

José Nalini defende uma distribuição para os processos por delitos cometidos por torcedores. "Assim, teremos mais efetividade no acompanhamento desses feitos e poderemos atuar com o rigor necessário para afastar esses infratores dos estádios"pontuou o desembargador.

O promotor Paulo Castilho, também presente no encontro, lembrou a urgência da efetivação do funcionamento do juizado para garantir tranquilidade nos estádios. "Hoje, vemos gente que está proibida de entrar nos jogos, não só entrando nos estádios, mas expondo fotos nas redes sociais. Com apoio do Tribunal de Justiça, vamos ganhar essa batalha e afastar os arruaceiros", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.