Gilvan de Souza/Divulgação - Flamengo
Gilvan de Souza/Divulgação - Flamengo

Alecsandro promete gol de cabeça ao filho no Flamengo

Atacante, que se chocou com zagueiro do América de Natal e sofreu fratura na órbita do olho direito, quer provar que está bem

Estadão Conteúdo

13 de janeiro de 2015 | 16h21

Artilheiro do Flamengo em 2014, Alecsandro teve a sua temporada encerrada precocemente por causa de um grande susto. O atacante se chocou com o zagueiro Cléber, do América de Natal, em 15 de outubro, o que provocou fratura na órbita superior do olho direito. O jogador, porém, garante que não restou nenhum trauma e revelou que prometeu ao seu filho marcar logo um gol de cabeça.

"Foi um susto muito grande, que fui superando no dia a dia. Foi difícil ficar fora do final da temporada. Agora, quero fazer um gol de cabeça para o meu filho, que perguntou se ia ter que parar e me deu vontade de voltar", afirmou Alecsandro, que participa da pré-temporada do Flamengo em Atibaia.

Para 2015, o técnico Vanderlei Luxemburgo já testou uma formação do Flamengo sem centroavante, apostando na velocidade de Everton, Gabriel e Marcelo Cirino. Em busca de espaço, Alecsandro destaca que não precisa atuar como um centroavante fixo, ainda mais que já jogou mais fora da grande área em outros clubes.


"Quando falo que sou centroavante é porque joguei a maior parte da minha carreira nessa função, mas quando atuei pelo Sporting de Lisboa tinha o Nani pela esquerda, o Liedson centralizado e eu na direita, na função do Gabriel hoje. E no Atlético-MG, já fui um 10, atrás do Jô. Tenho essa facilidade também. É lógico que sou muito mais conhecido por jogar dentro da área, mas até aqui já joguei assim. Foi com o Jayme de Almeida", disse.

Animado, Alecsandro espera mostrar seu valor nos treinamentos e com gols para conquistar seu espaço no Flamengo. "O jogador ganha a titularidade no treinamento. Sempre levei assim na minha carreira: para ser titular você tem que mostrar ao treinador, nos treinamentos, que você pode ser titular. E aí, sim, com a titularidade, o gol tem que acontecer, especialmente na minha posição. Tem aquela frase: o atacante vive de gols", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFlamengoAlecsandro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.