Alemanha aplaude Kahn por aceitar a reserva da seleção

Após muitas críticas de ex-jogadores e da imprensa, parece que o técnico da seleção alemã, Jürgen Klinsmann, pode finalmente receber o reconhecimento pelo seu trabalho. Em pesquisa realizada pelo Instituto Promit, de Dortmund, para o Serviço Alemão de Informações Esportivas, a maioria dos alemães entrevistados, 69,5%, mais de dois terços, achou que a decisão do treinador a favor de Jens Lehmann para o gol da Alemanha na Copa do Mundo foi correta. Ainda assim, o episódio fortaleceu a imagem de Oliver Kahn diante dos alemães. Para 88,5% dos entrevistados, o goleiro do Bayern de Munique agiu certo ao aceitar a reserva a participar do Mundial.A prova clara desta popularidade ocorreu na semifinal da Copa da Alemanha, na quarta-feira, quando o Bayern bateu o Saint Pauli em Hamburgo por 3 a 0. A torcida do time da casa, conhecida por sua agressividade contra os visitantes, não vaiou o goleiro e até manifestou respeito e aplaudiu quando Kahn defendeu uma cabeçada certeira de Scharping, do Saint Pauli, quando o jogo estava apenas 1 a 0 para o Bayern.Para muitos especialistas, o goleiro entrou para a galeria dos heróis imortais do futebol alemão. Segundo revelou ao Tagesspiegel Hartmut Zastrow, presidente de uma agência de marketing esportivo em Colônia, Kahn saiu do episódio muito mais fortalecido do que se imaginava. "Kahn era o herói clássico, desde a Copa de 2002. Assumindo a posição de número 2, ele virou o herói trágico para os alemães e imortal na mente daqueles que gostam de futebol", analisa Zastrow.O especialista descarta que Kahn tenha aceitado a reserva por pressão dos patrocinadores, como muitos sugeriram. "Não acredito que ele tenha tomado esta decisão baseado em alguns milhares de euros a mais."Apesar de popular, chance de atuar na Copa é quase nula Contra Kahn está a retrospectiva da seleção alemã nos Mundiais. Desde 1974, nenhum goleiro reserva atuou em uma partida de Copa do Mundo. De Sepp Maier ao próprio Oliver Kahn, ninguém que sentou ao lado do técnico com um par de luvas entrou em campo. A última vez que isso aconteceu foi em 1970, quando na disputa do terceiro lugar entre Alemanha e Uruguai Sepp Maier cedeu seu lugar a Horst Wolter. A Alemanha conquistou o terceiro lugar vencendo o jogo por 1 a 0, com gol de Overath.O supervisor da seleção, Oliver Bierhoff, já revelou nesta quinta-feira ao Süddeutsche Zeitung que não há nenhuma chance de Kahn atuar nos últimos amistosos antes do início da Copa, contra Luxemburgo, Japão e Colômbia, em maio e junho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.