Alemanha bate Portugal e fica com a 3ª colocação da Copa

Mesmo contando com o atual treinador campeão mundial, Portugal não conseguiu repetir o feito de 1996, na Inglaterra, e deixou escapar a terceira colocação da Copa do Mundo da Alemanha ao ser superado por 3 a 1 pelos donos da casa, neste sábado, no Estádio Gottlieb-Daimler, em Stuttgart. O confronto diante dos germânicos pode ter marcado a despedida de Luiz Felipe Scolari no comando da equipe lusitana, uma vez que o seu contrato com a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) se encerra no dia 31 deste mês. O gaúcho já revelou que, se for convidado, pode voltar a liderar a seleção brasileira, caso Carlos Alberto Parreira seja demitido. Com o prêmio de consolação para o povo alemão, o time dirigido por Jürgen Klinsmann impediu que a seleção portuguesa repetisse o desempenho de 1966, quando alcançou o terceiro lugar na Copa - o time também era dirigido por um brasileiro na época, Otto Glória. Mas a quarta colocação não pode ser desprezada, uma vez que os portugueses melhoraram muito o seu desempenho em relação à campanha de 2002 (Coréia do Sul e Japão), quando o time ficou na 21ª posição ao ser eliminado ainda na primeira fase. A partida Mesmo com mais posse de bola na etapa inicial da partida (53%), a seleção portuguesa criou poucas oportunidades. A primeira chance de gol saiu pelo lado alemão, aos 5 minutos, quando o volante Sebastian Kehl pegou a sobra de uma falta cobrada por Schneider e chutou forte. A bola desviou na mão do lateral Nuno Valente dentro da área, mas o juiz japonês Toru Kamikawa não marcou pênalti. No lance seguinte, o atacante Miroslav Klose foi lançado e bateu na estrada da área, mas sem riscos para o goleiro Ricardo. Os lusitanos só conseguiram levar perigo à meta de Oliver Kahn, que fez a sua estréia neste Mundial, aos 15 minutos. Após um passe de Deco, o avante Pauleta invadiu a área e bateu rasteiro para a defesa do guarda-metas germânico. Após o susto, a Alemanha voltou a pressionar os rivais e quase abriu o marcador aos 20. Em uma nova jogada de Kehl, o meia viu Ricardo adiantado e, de fora da área, tentou encobrir o goleiro lusitano, que fez excelente defesa ao espalmar para fora. Cinco minutos depois foi a vez de Podolski empolgar a torcida local. Numa cobrança de falta ensaiada, o atacante do Bayern de Munique soltou a bomba e o camisa 1 português voltou a salvar. No segundo tempo, a equipe dirigida por Felipão voltou mais ofensiva e criou o primeiro lance de perigo aos 6 minutos, numa falta cobrada por Simão Sabrosa perto da meta alemã. Momentos depois, Pauleta perdeu mais uma chance ao passar pela marcação de Metzelder, invadir a área e bater fraco em cima de Kahn. Empurrada por 47 mil torcedores que compareceram ao Estádio Gottlieb-Daimler, a Alemanha partiu para o ataque e conseguiu marcar aos 10 minutos. Numa jogada despretensiosa, Schweinsteiger recebeu pelo lado esquerdo, levou para o meio e chutou com efeito de fora da área, vencendo o goleiro Ricardo, que falhou no lance. Motivados com o tento, a equipe de Klinsmann ampliou na seqüência. Em uma falta na lateral, Schweinsteiger alçou na área e o português Petit tentou cortar, mas mandou para a própria meta, fazendo contra. Em desvantagem, Felipão colocou Figo em campo - o jogador iniciou a partida no banco devido a uma lesão. E logo na primeira participação da maior estrela da equipe, Portugal quase descontou após um chute de Cristiano Ronaldo, mas Kahn fez ótima defesa. Em seguida, Schweinsteiger voltou a marcar para a Alemanha. Numa jogada semelhante ao primeiro tento, o meia do Bayern de Munique recebeu na intermediária e bateu no canto esquerdo de Ricardo. Quase no final da partida, a seleção portuguesa descontou, aos 43 minutos. Figo, que provavelmente fez seu último jogo em Copas e com a camisa grená, foi lançado na direita e cruzou na área para Nuno Gomes marcar de cabeça. Mas o gol não foi suficiente para que o país repetisse a sua melhor campanha na história da competição. Ficha técnica: Alemanha 3 x 1 Portugal Alemanha: Kahn; Jansen, Nowotny, Metzelder e Philipp Lahm; Schneider, Kehl, Frings e Schweinsteiger (Hitzlsperger); Klose (Neuville) e Podolski (Hanke). Técnico: Jürgen Klinsmann. Portugal: Ricardo; Paulo Ferreira, Ricardo Costa, Fernando Meira e Nuno Valente (Nuno Gomes); Costinha (Petit), Maniche, Simão Sabrosa e Deco; Cristiano Ronaldo e Pauleta (Figo). Técnico: Luiz Felipe Scolari. Gol: Schweinsteiger, aos 10, Petit (contra), aos 16, Schweinsteiger, aos 33, Nuno Gomes, aos 43 minutos do segundo tempo. Juiz: Toru Kamikawa (JAP). Cartões amarelos: Frings, Schweinsteiger, Ricardo Costa, Costinha e Paulo Ferreira. Local: Gottlieb-Daimler-Stadion, em Stuttgart.

Agencia Estado,

08 Julho 2006 | 17h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.