Alemanha decide vaga para as quartas, contra a Argélia, 'em casa'

Depois de três semanas brigando com o clima quente e úmido do Nordeste, alemães vão a Porto Alegre para encarar time africano

Mateus Silva Alves - Enviado especial a Porto Alegre, O Estado de S. Paulo

29 de junho de 2014 | 22h00

Depois de passar três semanas brigando com o clima quente e úmido do nordeste do Brasil, finalmente a seleção da Alemanha disputará uma partida da Copa do Mundo “em casa”. O enorme favoritismo alemão na partida contra a Argélia, às 17 horas, pelas oitavas de final, é reforçado pelo clima “europeu” de Porto Alegre.

Além da temperatura bem mais baixa do que as enfrentadas pela Alemanha na primeira fase do Mundial – a previsão para hoje é de máxima de 15 graus –, a presença de muitos descendentes de alemães no Rio Grande do Sul também servirá para fazer a seleção tricampeã do mundo se sentir à vontade no Beira-Rio. O cenário, portanto, parece ideal para uma tranquila vitória sobre uma equipe pouco conhecida, mas há quem pense de maneira diferente. Joachim Löw, por exemplo.

Apesar de a presença da Argélia nas oitavas de final ser uma grande surpresa, o treinador da Alemanha diz que já vinha estudando o time africano desde antes do Mundial e que o conhece bem. Nem tanto a ponto de recitar de primeira a escalação da equipe, mas o suficiente, segundo ele, para saber que a partida será complicada.“Podemos não conhecer os nomes dos jogadores, mas sabemos como eles jogam”, afirmou Löw. “Sabemos que é um time com grande influência da França e que é harmonioso e compacto. Não foi por acaso que chegou a esta fase.”

O plano de jogo de Löw para superar a mais do que provável retranca da Argélia é repetir o que foi feito contra os Estados Unidos, na última quinta-feira. O time se pôs a sufocar os norte-americanos desde o primeiro minuto e, embora tenha diminuído o ritmo com o passar do tempo, jamais perdeu o controle da partida. Quando conseguiu fazer seu gol, no início do segundo tempo, a Alemanha passou a dispor de espaço para contra-atacar e, ao mesmo tempo, manteve sua defesa com uma postura muito firme.

O maior problema do time alemão contra os norte-americanos foi que os jogadores de frente estiveram muito imprecisos nos passes e finalizações, e só por esse motivo a Alemanha venceu por apenas 1 a 0. Evidentemente, Löw espera ver esse defeito desaparecer.

“Temos de controlar o jogo”, opinou o capitão Philip Lahm. “Contra Gana (empate por 2 a 2), a bola ia e vinha a todo momento, houve muita paixão, mas sem tática nenhuma. Precisamos acertar os passes para termos a sensação de controle durante os 90 minutos, até porque assim teremos mais facilidade para nos defender.”

Joachim Löw não anunciou quem será o parceiro de Lahm no centro do campo. Khedira e Schweinsteiger brigam pela vaga. No lado esquerdo do ataque, que não conta com Podolski, machucado, Götze disputa a posição com Schürrle.

Vahid Halilhodzic, técnico da Argélia, reconhece que a Alemanha é favorita, mas acredita que seu time pode vencer. “O que estamos fazendo na Copa é maravilhoso e queremos continuar.” Ele deverá repetir a formação do empate com a Rússia, apostando em uma defesa forte e em um ataque veloz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.